Aval furado

A descoberta, apenas “três ou quatro anos depois”, para repetir as palavras do Banco Central, de que o PanAmericano tinha um rombo de R$ 2,5 bilhões expõe, mais uma vez, o papel das auditorias ditas independentes. Nem Deloitte – contratada pelo PanAmericano – nem Fator, KPMG e Bocater nem BDO – todas a serviço da Caixa – foram capazes de detectar uma diferença equivalente a quase duas vezes o patrimônio, de R$ 1,37 bilhão, da instituição cujos papéis examinaram. Como não é a primeira vez que isso acontece, já passou da hora de auditores passarem a ser co-responsáveis, para os efeitos cíveis e penais, por perdas não identificada em empresas que passem por seu exame.

Lá&cá
Nos Estados Unidos, por exemplo, contadores respondem solidariamente por problemas detectados pelo Leão estadunidense na declaração de seus clientes. A lógica é simples: ao apor sua assinatura na declaração, o profissional está avalizando os dados declarados pelo cliente. Por tal razão, o sócio de uma das principais consultorias do Brasil já confidenciou a esta coluna que, enquanto em declarações do Imposto de Renda de grandes clientes brasileiros dá apenas uma breve passada de olhos, nas oriundas dos Estados Unidos, só assina, após examinar e conferir detidamente os dados.

Profetas do passado
Mais surreal que a participação das auditorias no caso PanAmericano foi o “mico” pago por agências de classificação de risco, como Fitch e Moody”s. Esta, que até a véspera atribuía perspectiva positiva para os papéis emitidos pelo banco de Silvio Santos, depois que o problema veio à tona, decidiu colocar o rating do PanAmericano em viés de baixa. A Fitch anunciou, nesta quinta, que rebaixou a classificação. A mesma função poderia ser desempenhada pelo Conselheiro Acácio, a preços bem mais módicos. Não por acaso, a cada dia, agências de classificação de risco e institutos de pesquisa eleitoral ficam cada vez mais parecidos na sua obsolescência.

No escuro
Presença fácil nos insuportáveis “infomerciais”, a empresa Import Express, que vendia a máquina fotográfica Tekpix DV 3100, foi multada em R$ 310,5 mil pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, por publicidade enganosa. Segundo o MJ, houve centenas de reclamações nos Procons quanto à qualidade da máquina: o importador garantia filmagens e fotos de qualidade quando, na verdade, se tratava de um modelo que sequer tinha flash embutido. De acordo com laudo anexado ao processo, a câmera “tecnicamente não possui recursos para realizar fotografias noturnas”.

Segunda classe
Talvez tão grave quanto foi a forma como a Import Express se referiu a seu público alvo, alegando que a máquina possuía tecnologia compatível às expectativas dos consumidores de baixa renda. “O argumento não apenas subestima a atuação dos órgãos de defesa do consumidor como também os próprios consumidores em geral. O Código não faz distinção de classe social”, afirma a diretora do DPDC, Juliana Pereira. Entre os anos de 2004 e 2009, foram comercializadas 592.300 mil câmeras digitais deste modelo em todo o Brasil.

Balão
Não se sabe se para queimar ou badalar, um jornal paulista publicou que o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, indicou a Dilma o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, para o Ministério. Quem conhece a situação da saúde no estado sabe que a chance disto acontecer é similar ao do Grêmio Prudente escapar do rebaixamento no Brasileirão.

Mais poesia
O espetáculo Delicadezas, noticiado por esta coluna na edição de quinta-feira, teve a participação também da atriz Lucrecia Corbella, que interpretou os poemas.

Mercado bilionário
Para discutir as oportunidades oferecidas pelo marketing esportivo e as leis de incentivo ao esporte, a Câmara Brasil-Alemanha (AHK RJ) realizará no próximo dia 19, no Hotel Windsor Excelsior Copacabana, o Seminário Rio Business Sport Marketing. O objetivo é oferecer às empresas alemãs e brasileiras possibilidades de negócios relacionados ao esporte aqui e na Europa. A indústria do esporte movimenta US$ 680 bilhões por ano nos Estados Unidos e US$ 250 bilhões no Japão. O Brasil já está entre os dez primeiros mercados esportivos do mundo, com faturamento de uns R$ 34 bilhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInsubordinação?
Próximo artigoPaís pobre

Artigos Relacionados

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Últimas Notícias

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido