Avaliação da pós-graduação brasileira: um olhar para o futuro

Por Isaac Roitman.

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Ensino Superior) foi criada no início da década de 50 do século passado, por iniciativa do notável educador Anísio Teixeira. Desde a sua criação ela modula os cursos de pós-graduação (mestrados e doutorados) e a ela é responsável pelo notável desenvolvimento e desempenho da pós-graduação no Brasil.

Uma das mais importantes ações da Capes foi a introdução do sistema de avaliação dos cursos strictu sensu em 1976. Um dos objetivos da avaliação é a certificação da qualidade que tem sido utilizada como referência para a distribuição de bolsas e recursos para o fomento à pesquisa. Em adição, ela identifica assimetrias regionais e atua no desenvolvimento de áreas estratégicas.

Essa avaliação se baseia em indicadores que são construídos pela comunidade acadêmica e referendas pelo seu Conselho Superior, que é constituído por seis membros natos, sete representantes da comunidade acadêmica, dois representantes do setor empresarial, um representante do Foprop (Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação), um representante da ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos), um representante da CTC (Comissão Técnica Científica) da Educação Superior e um representante da CTC da Educação Básica.

 

Certamente a comunidade acadêmica será

ouvida para legitimar e aperfeiçoar o processo

 

Essa avaliação pode ser dividida em dois processos distintos. O primeiro se refere à aprovação da entrada dos cursos – mestrado profissional, mestrado acadêmico e doutorado no Sistema Nacional de Pós-graduação. O segundo é o desempenho e a permanência dos cursos no Sistema.

Para a entrada no Sistema, as propostas são analisadas por comitês assessores da área e posteriormente pelo Comitê Técnico Científico da entidade. São requisitos importantes para a aprovação, a disponibilidade de professores titulados com plena atividade acadêmica e infraestrutura (laboratórios e equipamentos) nas áreas de conhecimento experimentais.

A expansão do Sistema tem sido desordenada, orientada pela oferta e não pela demanda. É preciso que na análise dos novos cursos responder à pergunta se os novos mestres e doutores são demandados a curto, médio e longo prazo para o desenvolvimento social e econômico do país. Assim fazendo, vamos evitar a formação em excesso de recursos humanos em certas áreas e formar massa crítica com um olhar para o futuro. É absolutamente fundamental construímos um projeto de longo prazo para o país, que esteja em harmonia com a Era do Conhecimento do século XXI.

No que diz respeito à avaliação individual dos cursos, vários marcos importantes podem ser destacados: 1) Inclusão de visitas de consultores aos programas (1980); 2) Avaliação bienal (1984); 3) Realização de estudos, regionais e nacional para a reformulação da avaliação (1966/67); 4) Definição e implantação do modelo que vigorou por muitos anos, dando ênfase à publicação de artigos científicos (1988).

Em 2014 foi lançada a Plataforma Sucupira, que permitiu a unificação de todos os sistemas utilizados no processo de avaliação e da realização da coleta de dados de forma contínua, online e integrada com os sistemas acadêmicos.

A Capes pretende reformular o modelo, que será implantado a partir de 2021, que é baseado em cinco dimensões: 1) Formação; 2) Pesquisa; 3) Transferência de conhecimento e inovação; 4) Internacionalização; 5) Inserção regional e impacto na sociedade.

Certamente a comunidade acadêmica será ouvida para legitimar e aperfeiçoar o processo. A grande inovação é o item 5 – “Inserção regional e impacto na sociedade”. Certamente essa diretriz terá como consequência a incorporação da “responsabilidade social” nos egressos dos cursos de pós-graduação.

A Capes, como entidade autônoma, não deve ser objeto de fusão com entidades que se complementam. Ela é fundamental para a formação de recursos humanos com direcionamento e planejamento para que o Brasil possa ter um futuro que todos nós sonhamos e queremos.

Isaac Roitman

Professor emérito da Universidade de Brasília, pesquisador emérito do CNPq e membro da Academia Brasileira de Ciências.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

O Rio não pode perder mais na energia

Por Wagner Victer.

O legado de Paulo Freire

Por Ítalo Francisco Curcio.

Últimas Notícias

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do...

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...