Avaliação do governo como bom não chega a quatro em 10

Diminuiu ligeiramente o percentual de internautas que avalia o governo como ruim/péssimo, atingindo 36,9%. As avaliações de bom/ótimo representam 35,9%; e 27,2% consideram a gestão Regular. Essa leve melhora se deve ao anúncio de retorno do auxílio emergencial e às medidas de redução de impostos sobre gás e diesel. O caso Daniel Silveira inflamou a disputa entre os Poderes da República, que havia arrefecido nos últimos meses. A opinião é de pesquisa de tendência orientada por dados (média móvel de cinco dias), realizada pela Modalmais AP Exata entre dia 15 e hoje e divulgada nesta sexta.

Segundo o levantamento, a militância bolsonarista voltou aos fortes ataques ao STF. A apologia ao militarismo retornou também à agenda política da direita governista, apesar de o presidente da República não ter se envolvido diretamente no caso. A prisão do deputado também mudou o cenário de apoio irrestrito a Arthur Lira, por parte da militância governista nas redes. O presidente da Câmara passou a ser criticado e acusado de se curvar ao STF.

Daniel Silveira conseguiu também colocar em causa o andamento das reformas na Câmara. Um dos argumentos favoráveis à manutenção de sua prisão é que isso permitirá ao Congresso retornar as discussões sobre as reformas, sem a espuma criada pelo caso em questão.

De qualquer forma, nota-se claramente, pelo movimento dos internautas, que, apesar de Lira ter uma clara tendência de apoio ao presidente da República, bolsonaristas militantes não estão dispostos a negociar e abrir mão de pautas mais radicais.

Podem, com isso, gerar uma animosidade futura entre Lira e o Planalto.

O novo reajuste de combustíveis anunciado pela Petrobras indignou os internautas. Uma grande parcela dos comentários nas redes culpou o governo e Paulo Guedes por mais essa alta dos combustíveis. Há um temor de que o aumento gere mais inflação, pela influência direta do custo dos combustíveis em preços de alimentos e outros bens essenciais. A inflação é um tema constante de queixas nas redes.

Além disso, o aumento pode encadear uma guerra fiscal entre os governos estaduais e federal, a partir do anúncio do presidente da República, de que irá zerar os impostos federais do gás de cozinha e do diesel. Imediatamente após a fala de Bolsonaro sobre o assunto, as redes de apoio ao presidente da República passaram a pressionar os governadores de forma mais intensa, para que também reduzam impostos.

A fala sobre possíveis mudanças na Petrobras e as críticas indiretas que fez ao presidente da empresa levaram a especulação sobre a substituição de Castello Branco. Já a esquerda especulou sobre a venda da Petrobras. Liberais mostraram preocupação com a reação do mercado às falas do presidente da República.

As falhas de abastecimento de vacinas informadas em muitas cidades levaram opositores a criticar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e a ausência de organização no processo de imunização. As promessas do ministro sobre 230 milhões de doses até julho foram consideradas irrealistas.

Tem ocorrido ainda uma guerra entre governo e Butantan. O instituto tem sido acusado pelo Ministério da Saúde de atrasar a distribuição da CoronaVac e rebate criticando o que considera falta de planejamento do governo. O jogo de empurra deve continuar nas próximas semanas.

O fim de impostos federais em gás de cozinha e a suspensão e tributos sobre o diesel, tiveram um efeito na popularidade de Bolsonaro. As menções positivas ao presidente chegaram a 40%. Nos últimos cinco dias, apesar do aumento nas menções positivas, parece existir um teto intransponível de popularidade do presidente da República. A rejeição é alta fora de sua bolha de apoio e a emoção de confiança segue baixa, ao contrário da tristeza e do medo, que predominam há várias semanas.

Outra pesquisa, da corretora Necton Investimentos, em parceria com a Vector Relações Governamentais, apontou que, de maneira geral, a condução do Governo Federal na gestão sanitária da crise do coronavírus não foi correta, segundo 65,9% dos deputados e senadores ouvidos. O levantamento também mostra que para 76,8% dos entrevistados, a aprovação do projeto de uso dos fundos públicos para o combate à pandemia é considerada muito urgente.

Já a opinião de 74,4% dos congressistas sobre a recuperação da economia neste ano é otimista, atingindo o maior patamar desde o início das sondagens, em julho do ano passado. Conforme os resultados, 70,4% acreditam que a agenda econômica do governo está correta, apesar da nota média para a atuação do ministro da economia Paulo Guedes ter sido 4,9 em 10 – a menor registrada em todas as edições da pesquisa.

Foram ouvidos, entre os dias 2 e 12 de fevereiro, 56 líderes e vice-líderes que ajudam, durante o processo de votações, a formar o posicionamento das bancadas.

Pazuello recebeu uma nota ainda menor dos congressistas: 3,4. A mesma nota foi dada para o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Ainda de acordo com o levantamento, 44,8% dos parlamentares não acredita que o governo fará uma reforma ministerial para formalizar sua base de apoio. Em contrapartida, as reformas administrativa e tributária devem ser aprovadas ainda no primeiro semestre (56,2% e 60,1%, respectivamente), assim como a PEC emergencial (69,3%). Quase 80% dos ouvidos acreditam que um novo auxílio emergencial será aprovado no Congresso. E para a maioria dos entrevistados, a volta do auxílio deve vir acompanhada de alguma medida de saneamento fiscal (45,7%).

Artigos Relacionados

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Fachin anula condenações de Lula na Lava Jato

Ministro envia ações para Justiça Federal do DF; ex-presidente volta a ser elegível; Bolsa despenca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.