Avenida Brasil

A tentativa de reduzir desde já a disputa presidencial a tucanos e petistas esbarra na saturação do eleitorado com as políticas que asfixiam o país há cerca de 15 anos. Se esse sentimento vai ou não se materializar num candidato competitivo fora dos círculos financistas é uma questão em aberto. No entanto, a revelação de que 17% dos eleitores não votariam nem em Lula nem em Serra, num hipotético segundo turno dos sonhos da banca, reafirma que o espaço para uma alternativa desenvolvimentista e pela justiça social está em aberto.

Os donos do poder
O PSDB não pode defender a política econômica do governo Lula, se não quiser correr o risco de perder a eleição. A advertência é do senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT): “Em 2002, Serra era o candidato que representava a política desenvolvimentista. Era o candidato contra Lula mas também contra o malanismo”, defende o senador em entrevista publicação Congresso em Foco.
Para o tucano, o presidente Lula vai se arrepender de manter Antonio Palocci no ministério e será abandonado em junho pelos “donos do dinheiro”. Para ele, apenas os bancos querem a manutenção do ministro da Fazenda: “Quem sustenta o Palocci são os banqueiros. Os banqueiros têm força na mídia. São os donos do dinheiro do mundo que defendem o Palocci. Não me venha dizer que é o mercado. Qual mercado? A agricultura vai mal, a economia vai mal, a pecuária vai mal, não há uma política de investimentos em portos, não há investimentos em rodovias, não há investimentos em ferrovias, não há uma política de geração de empregos, o Estado não participa de uma política indutora de desenvolvimento, então, o mercado vai mal. Qual mercado que vai bem? Só se for o Itaú, o Bradesco, o Banco de Boston. O Boston nunca ganhou tanto dinheiro, coincidentemente depois da assunção de (Henrique) Meirelles na presidência do Banco Central”, critica o tucano.

Autocrítica
Perguntado se a influência da banca não se manifestava também no interminável governo FH, Barro foi de sinceridade pouco comum no tucanato: “Os banqueiros têm força no governo, qualquer que seja ele. Os banqueiros têm força nos partidos políticos, todos eles. Essas pessoas são fortes e têm influência para manter o Palocci. O Palocci é uma figura simpática. É gentil. Quando vem ao Congresso, mesmo quando foi chamado, trata bem os seus interlocutores. Ele faz uma política econômica que não é dele. Ele manteve lá todos os auxiliares do Malan, numa política que precisava evoluir. O PSDB não pode defender essa política econômica, sob o risco de perder a eleição.

E a alternativa?
Para o senador tucano, um dos defensores da candidatura Serra no interior do partido, um dos principais temas da campanha do PSDB para a presidência da República tem de ser a geraçãos: “Para se preocupar com emprego, tem de se preocupar com desenvolvimento. Para se preocupar com emprego e desenvolvimento, tem que injetar dinheiro na economia brasileira”, defende.
Fica faltando explicar, entre outras coisas, como gerar emprego sem interromper a drenagem de dinheiro que ceva os donos do dinheiro e como o PSDB pretende romper com essa plutocracia.

Brasil reluzente
As vendas internas de gemas e metais preciosos devem fechar 2005 com crescimento de 5%, segundo o Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM). Caso esse resultado se confirme, representará acréscimo de R$ 4,4 bilhões em relação às vendas do ano passado. O avanço mais brilhante do setor, no entanto, aconteceu no mercado externo, no qual as vendas deram um salto de 129% desde o início, há seis anos, da parceria entre o segmento e a Apex Brasil, do Ministério do Desenvolvimento. Apenas este ano, o Brasil participou de 18 feiras internacionais, que envolveram 129 exportadores nacionais.

Diversidade brasileira
Além do design, o país se beneficia da diversidade das suas jóias para seduzir compradores em um mercado que movimenta US$ 15 bilhões por ano. As peças brasileiras misturam materiais alternativos como couro, borracha, madeira, resina e fibras vegetais, inclusive gemas coradas. O setor tem nos Estados Unidos seu principal importador, seguido por Hong Kong, Suíça, Japão, Emirados Árabes e Rússia.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.