B3 tem 475 empresas listadas

1903
Espaço da B3 (Divulgação B3)
Espaço da B3 (Divulgação B3)

A Cogna Educação, uma das principais organizações educacionais do mundo completou na segunda-feira (17) 15 anos de listagem na bolsa do Brasil. A empresa realizou seu IPO em 2007. A data foi comemorada na bolsa de valores brasileira, em São Paulo, com outras duas empresas que ingressaram no mesmo ano: a Triunfo Participações e Investimentos (TPI), do setor de infraestrutura, e a Construtora Tenda, com foco em empreendimentos residenciais populares.

Atualmente, a B3 tem 475 empresas listadas, sendo 202 no Novo Mercado, segmento de listagem criado em 2001 que conta com os mais elevados padrões de governança corporativa.

As cerimônias foram realizadas na sede da B3, no centro de São Paulo, e contaram com a presença de Roberto Valerio, CEO da Cogna Educação; Carlo Bottarelli, CEO da Triunfo Participações e Investimentos; Rodrigo Osmo, CEO da Construtora Tenda, além de executivos da B3 e convidados.

“Seguimos com o compromisso de oferecer um ambiente seguro e qualificado para continuar conectando os investidores a boas histórias”, comenta Leonardo Resende, superintendente de relacionamento com empresas da B3.

Espaço Publicitáriocnseg

“Acreditamos que levar ensino de qualidade a milhões de brasileiros é a única forma de termos um país mais igual, com oportunidades para todos, sem exceções. Apoiar as pessoas e organizações a construírem uma melhor versão de si é a força que nos impulsiona a trabalhar cada dia mais, para estarmos presentes na vida dos brasileiros em todos os momentos de sua jornada, da educação básica à pós-graduação”, disse Roberto Valerio, CEO da Cogna Educação.

“Nós estreamos no Novo Mercado e sempre nos mantivemos nessa importante categoria, como forma de oferecer aos investidores as mais altas práticas de boa governança nos nossos negócios. Tivemos erros e sucessos, mas sempre fomos guiados pela vontade de fazer, pela necessidade de construir, pela paixão à prestação de serviço de qualidade, acreditando que nosso papel é transformador e contribui para a construção de uma sociedade mais justa, mais sustentável e mais feliz”, disse Carlo Bottarelli, CEO da Triunfo Participações e Investimentos, durante seu discurso.

Mas como está a saúde financeira das três empresas? Confere abaixo alguns números.

Educação

A Cogna Educação (COGN3) – holding da qual fazem parte a Somos Educação e Saber –

atua há mais de 45 anos em todos os segmentos educacionais, como pré-escolar, fundamental, ensino médio, ensino médio para adultos, escola preparatória para faculdade, cursos livres e outras atividades educacionais relacionadas, bem como educação superior, profissional e pós-graduação. Em 2018, a Cogna Educação (então Kroton Educacional) adquiriu o controle da Somos Educação, um dos maiores grupos educacionais do Brasil com foco no ensino superior. A marca continua crescendo, mas a despesa financeira vem gerando prejuízo.

Em agosto, na apresentação dos números do segundo trimestre, a Cogna reportou prejuízo de R$ 101 milhões no trimestre, mais do que dobrando o do mesmo período do ano passado. O resultado está atrelado principalmente ao aumento da dívida da companhia, impulsionada pelos juros. O resultado financeiro aumentou 58,1% na comparação anual, para uma despesa de R$ 259 milhões. Com o plano de reduzi-la ao longo do ano, a companhia implementou um plano de liability management, ou seja, vai fazer reperfilamento da dívida daqui para frente.

Infraestrutura

Em agosto, a Triunfo Participações e Investimentos S.A (TPIS3) , com atuação nos segmentos de concessões rodoviárias, aeroportuária e de energia, apresentou os resultados do segundo trimestre. O lucro líquido foi de R$ 110,9 milhões no 2T22 e R$ 78,2 milhões no 6M22.

No resultado financeiro, houve piora de R$ 65,4 milhões no 2T22 em relação ao mesmo período do ano anterior no comparativo proforma devido a maior despesa com juros de CDI e IPCA no período. No acumulado do ano a piora no resultado financeiro, em relação aos seis meses de 2021 foi de R$ 63,8 milhões. Mas o destaque do trimestre foi o segmento de energia que obteve lucro líquido de R$ 9,4 milhões e aumento de 17,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A incorporadora Tenda (TEND3) registrou prejuízo atribuído aos controladores de R$ 144,4 milhões no segundo trimestre. Um ano antes, houve lucro de R$ 33, 8 milhões. A empresa já havia registrado prejuízo nos primeiros três meses do ano, de R$ 67,3 milhões.

Leia também:

BTG Pactual completa uma década de seu IPO na B3

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá,
    Excelente material. Onde consigo com exatidão, ano a ano a quantidade de empresas listada na [B] ³? Estou produzindo um post sobre Ações: o que é? e precisaria dessa informação para complementar o conteúdo.
    Grato!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui