Baixas calorias

Sem vocação para pitonisa, mas sem o antolho obrigatório ao jornalismo “chapa branca”, este coluna cometeu, com o mesmo título, pontos e vírgulas, a seguinte nota, em 24 de julho de 2001, quando boa parte da imprensa levava a sério a candidatura de Paulo Renato a qualquer cargo:
“Tudo bem que a vasta fauna de candidatos a candidatos tucanos a presidente da República é reveladora da inconsistência eleitoral do oficialismo, mas incluir o ministro da Educação, Paulo Renato, entre os presidenciáveis é exagero, mesmo em se tratando da dócil imprensa “chapa branca”. Com o lastro eleitoral de que é detentor, Paulo Renato pode se considerar um político realizado se conseguir os votos de alguns vizinhos numa eleição para síndico.”

Virtual
A renúncia oficializada ontem por Paulo Renato a qualquer pretensão passível de julgamento nas urnas não reduz apenas o ministro a sua verdadeira dimensão política. Mais que isso, transforma em pó o marketing longamente montado de que “a educação é o melhor resultado do governo FH”. Se o titular do ministério que os tucanos insistem em apresentar como sua melhor realização vai para o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – no qual o critério está longe de ser a aprovação popular – a fuga de Pedro Malan ao julgamento das urnas não poderia ser mais coerente.

Alvo
O próximo a sofrer nas mãos da opinião pública é o ministro da Saúde, José Serra. O sindicato dos servidores públicos federais (Sintrasef) já está com campanha – nas ruas e na TV – responsabilizando o presidenciável tucano pela epidemia de dengue. A greve nas universidades, ano passado, foi a pá de cal sobre as pretensões de Paulo Renato.

Líder
O senador Eduardo Suplicy (PT) foi eleito ontem líder do bloco de oposição no Senado. Fazem parte do bloco oposicionista, além do PT, o PSB e o PDT. Na Câmara, o líder do PT será o deputado federal João Paulo (SP). Suplicy (foto) mostra disposição digna de seu passado de ex-boxeador.

A perigo
A campanha de criminalização do “gato”, lançada pela Light, não deixa dúvidas: é grave a inadimplência passada, presente e futura no setor de energia. Se em vez de ameaçar infantilmente o consumidor desprovido de renda as concessionárias reduzissem seus salgados preços a campanha seria bem mais efetiva.

Carapintada
Uma declaração do presidente argentino Eduardo Duhalde – de que estudaria o perdão e libertação do coronel Mohamed Alí Seineldín – reacendeu o movimento pela liberdade do militar, condenado a prisão perpétua. Seineldín foi chefe dos militares nacionalistas conhecidos como “carapintadas” que promoveram quatro levantes frustrados, entre 1987 e 1990, contra os ex-presidentes Raúl Alfonsín e Carlos Menem. Existe até um comitê brasileiro que defende a soltura do coronel, presidido por Valte Tasso Vasquez de Aquino e que tem como presidente de honra o general de divisão Tasso Villar de Aquino e como secretário-executivo o coronel Pedro Schirmer, responsável pelo jornal Ombro a Ombro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Efeito Orloff”
Próximo artigoCurralzão

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico