Baixas

Além das perdas no campo de batalha, a hegemonia dos Estados Unidos também sofre baixas em outros setores devido ao estilo caubói atômico de George Bush. Desde o início da invasão do Iraque o intercâmbio de estudantes brasileiros para os Estados Unidos caiu 60%, de acordo com a diretora da Connection Line Programas Culturais, Vera Amaral. Ainda segundo ela, em contrapartida, cresceu a procura para países como Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Embora Bush talvez ignore isso, a atração de cérebros especiais de todas as partes do mundo foi uma das principais causas do desenvolvimentos dos EUA.

Bolso
O aumento do ISS e outras medidas aprovadas pela prefeitura revoltaram contribuintes paulistanos. O aumento, para estes, transforma o imposto em autêntico confisco. O protesto se volta ainda contra alguns decretos, como o que obriga todos os tomadores ou intermediários estabelecidos no município a manter em cada um de seus estabelecimentos vários livros fiscais, entre eles o Registro de Livros Tomados de Terceiros. Assim, uma padaria que contratar um chaveiro terá que escriturar o tal livro. Caso não cumpra essa obrigação, terá de pagar multa de R$ 1 mil.

Anos dourados
Apagar os últimos anos de decadência e voltar à época de ouro é a proposta do vereador carioca Ricardo Maranhão (líder do PSB na Câmara Municipal) para a Cinelândia. O local é rico em História – lá se situava o Senado – e cultura (ainda estão firmes o Theatro Municipal, o Museu de Belas Artes e a Biblioteca Nacional). O vereador promove hoje encontro entre as pequenas e médias empresas que atuam na área e representantes do Banco do Brasil e BNDES, que oferecerão financiamentos com condições especiais. A reunião começa às 14h30, no auditório da Câmara Municipal (Cinelândia).

Emblemático
Ao cobrar do governo Lula rapidez na aprovação das “reformas”, o vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Moreira Ferreira (PFL-SP), acabou trocando as bolas ao atribuir o slogan “vamos deixar de entretanto, vamos direto aos finalmente” ao ex-jogador Dadá Maravilha. O autor, na verdade, é Odorico Paraguaçu, personagem inesquecível de Dias Gomes.

Bárbaros
Notícias sobre a destruição do patrimônio histórico da Humanidade pelos bombardeios feitos pelos Estados Unidos no Iraque têm ficado restritas a pequenas notas de pé de página dos “jornalões” brasileiros – nos EUA, nem isso. Berço da civilização, a região onde hoje fica o Iraque é rica de monumentos e sítios arqueológicos. As bombas sobre Bagdá destruíram, no final de semana, uma das universidades mais antigas do mundo, do Século XIII – da mesma época da fundação de Oxford, por exemplo, a mais antiga universidade da língua inglesa. Para o governo norte-americano, a destruição não tem grande significado: os EUA não são signatários do acordo que protege o patrimônio histórico em tempos de guerra. E, mesmo que tivessem validado o acordo, não faria diferença, já que rasgaram a Carta da ONU quando invadiram o Iraque.

Ressentimento
Será que a submissão de Tony Blair à invasão norte-americana do Iraque teria sido arrefecida se Saddam Hussein não tivesse nacionalizado, há cerca de 30 anos, a britânica Irak Petroleum Company?

Artigo anteriorÀ míngua
Próximo artigoGoleada
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.