Banco Central da China injeta US$ 2,9 bilhões no mercado

Recompra reversa é quando o BC compra títulos de bancos comerciais por licitação, com acordo para vendê-los de volta no futuro.

Internacional / 11:56 - 31 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Banco Popular da China (PBoC, o Banco Central do país) injetou dinheiro no sistema bancário via operações de recompra reversa nesta sexta-feira para manter a liquidez no mercado.

A instituição acrescentou 20 bilhões de iuanes (US$ 2,9 bilhões) através de acordos de recompra reversa de sete dias a uma taxa de juros de 2,2%, de acordo com comunicado oficial no site do PBoC.

A medida visa a manter liquidez razoável e ampla no sistema bancário, disse o Banco Central.

Nenhum acordo de recompra reversa venceu na sexta-feira.

Uma operação de recompra reversa é um processo no qual o Banco Central compra títulos de bancos comerciais por meio de licitação, com um acordo para vendê-los de volta no futuro.

A China adotará uma política monetária prudente de forma mais flexível e apropriada, de acordo com o relatório de trabalho do governo deste ano.

O país usou uma variedade de ferramentas, incluindo reduções de depósitos compulsórios, cortes nas taxas de juros e reempréstimos para permitir que a oferta de dinheiro M2 e o financiamento agregado cresçam a taxas notavelmente mais altas do que no ano passado.

 

Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor