Banco dos Brics emitirá bônus em iuanes

Internacional / 18:20 - 13 de jun de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

[caption id="attachment_542847" align="alignnone" width="242"]Zhu Xian: emissão em iuanes e outras moedas dos Brics Zhu Xian: emissão em iuanes e outras moedas dos Brics[/caption] O Banco dos Brics está preparando a primeira emissão de bônus, que ocorrerá na China e serão em iuanes, disse o vice-presidente da instituição Zhu Xian à agência de notícias Xinhua, durante fórum em Shangai. O Novo Banco do Desenvolvimento (NBD), como é formalmente denominado, planeja levantar fundos para seus financiamentos entre os membros – além da China, Brasil, Rússia, Índia e África do Sul. Também serão obtidos recursos em dólares e outras moedas. Em abril, a diretoria do NBD aprovou quatro projetos de investimento em “energia verde”, o que Zhu destacou como compromisso do banco com o desenvolvimento sustentável.

Instituição busca fundos para

financiamentos ao setor produtivo

O Novo Banco é considerado a principal alternativa ao sistema bancário ocidental. “O império não se sente confortável com esse núcleo financeiro onde se destaca a economia com o maior volume de reservas do mundo, ou seja, a China. Compor o Banco dos Brics constitui um dos maiores desafios geopolíticos ao império”, opina o economista José Carlos de Assis, integrante do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL. “É pelas conexões americanas com financistas e empresários locais que o imperialismo norte-americano atua, aqui (no Brasil) como em toda parte do mundo”, explica Assis. “O sistema bancário anglo-americano, com sede em Nova York, domina os subsistemas bancários em outros países desenvolvidos e, naturalmente, nos países subdesenvolvidos, os quais, se bem comportados, gozam de privilégios subalternos que lhe são garantidos por conexões com o centro. Esse emaranhado de relações, regulado por uma instituição privada denominada Banco de Compensações Internacionais, no fundo é um meio de destruir a soberania monetária e financeira dos países, exceto a dos Estados Unidos.”

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor