Bancos: crédito às famílias deve registrar crescimento

Expansão anual deve chegar a 19,5%, a maior desde 2011.

O saldo total da carteira de crédito deve crescer 1,4% em outubro, registrando o 9º avanço mensal seguido. O bom resultado deve ser impulsionado pela carteira com recursos livres, que segue se beneficiando da reabertura das atividades econômicas. O destaque do mês deverá ser a carteira Pessoa Física, com estimativa de crescimento de 1,8% e ritmo de expansão anual que poderá chegar a 19,5%, o maior desde novembro de 2011 (+19,8%). As estimativas são da Pesquisa Especial de Crédito da Febraban, divulgada mensalmente como uma prévia da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central.

As projeções são feitas com base em dados consolidados dos principais bancos do país, que representam de 39% a 89% do saldo total do Sistema Financeiro Nacional, dependendo da linha de crédito, além de outras variáveis macroeconômicas que impactam o mercado de crédito.

Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da federação, destaca que, no crédito destinado às famílias, a alta deve ser puxada pela carteira livre, que deverá expandir 2,1%. “A pesquisa mostra uma oferta de crédito bastante positiva no último trimestre do ano, refletindo o maior consumo das famílias devido à reabertura das atividades econômicas, que favorecem especialmente as linhas ligadas ao consumo, como crédito pessoal e cartão de crédito. Também constatamos um avanço importante na carteira Pessoa Física direcionada, que deve crescer 1,6%”, destaca.

Apesar das estimativas de crescimento para o mês, Sardenberg ressalta que a elevada base de comparação deve fazer com que o ritmo de expansão anual da carteira total de crédito mostre ligeira desaceleração, de 16% para 15,8%. “Ainda assim, estamos em um patamar bastante elevado, sinalizando que a oferta de crédito flui em um ritmo bastante forte, contribuindo para a retomada da atividade econômica.”

De acordo com a pesquisa, a carteira Pessoa Jurídica deve apresentar uma alta mais modesta, de 0,7%, com dinâmica diferente entre os recursos. Do lado positivo, a carteira livre deve mostrar expansão mensal de 1,5%, mesmo diante da sazonalidade negativa das linhas de fluxo de caixa, registrando o melhor resultado para o mês desde 2010 (+1,5%). Já a carteira direcionada deve retrair 0,7%.

Apesar do avanço da carteira Pessoa Jurídica, a estimativa é de uma nova acomodação no ritmo de expansão em 12 meses, que deve recuar de 11,6% para 11,1%, mais uma vez refletindo o término dos programas emergenciais e a retomada das captações das grandes empresas no mercado de capitais.

Concessões

A Pesquisa Especial de Crédito mostra que o volume de concessões deve recuar 1,6% em outubro, mas ainda assim suficiente para seguir expandindo o volume acumulado em 12 meses, de 13,7% para 15,7%. Se ajustado por dias úteis, o volume médio de concessões deve mostrar expansão de 3,3% ante o mês anterior, liderado pelo crédito Pessoa Física no segmento livre.

Já na série sem ajustes, a alta deve ficar concentrada nas operações destinadas às famílias (+1%), com a variação acumulada em 12 meses mostrando expansão de 18,7% para 20,3%. Ajustando por dias úteis, a expansão deve ser ainda maior, de 6%, reforçando a liderança das operações para Pessoas Físicas para o crescimento do crédito no ano.

Segundo o levantamento, as concessões destinadas às empresas devem desacelerar em 4,4%. No caso das operações com recursos livres, a sazonalidade negativa das linhas de fluxo de caixa (antecipação de faturas de cartão de crédito e desconto de duplicatas e recebíveis) deverá ser o principal fator da retração. Já as operações direcionadas devem seguir se acomodando com o término dos programas emergenciais. No ajuste por dias úteis, o volume de crédito Pessoa Jurídica deve ficar praticamente estável (+0,4%).

Leia também:

Atividade econômica cai no 3º tri e PIB é estimado em R$ 6,3 trilhões

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Pesquisa mostra saúde financeira dos brasileiros

O brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19, com 6 em cada 10 pessoas reduzindo gastos neste período. E mais: 66%...

Preços altos motivam consumidor a comprar produtos piratas

Cerca de 2,9 milhões de pessoas compraram produtos falsificados em um ano.

Últimas Notícias

Lendas das small caps – market timing, recuperação e liquidez

O Monitor Mercantil publica a segunda parte do trabalho, iniciado no dia 18 de novembro, feito pela Trígono Capital sobre as sete lendas das...

Pesquisa mostra saúde financeira dos brasileiros

O brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19, com 6 em cada 10 pessoas reduzindo gastos neste período. E mais: 66%...

Recorde de retiradas líquidas da poupança: R$ 12,37 bi

O Banco Central (BC) informou, nesta segunda-feira, que as retiradas da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 12,377 bilhões, em novembro. Essa...

Petrobras poderá se tornar uma empresa suja

A Petrobras anunciou no último dia 24 de novembro seu plano estratégico 2022-2026, com investimentos previstos de US$ 68 bilhões nos próximos 5 anos....

Empresas abertas na pandemia são 452% mais vulneráveis a fraudes

Com a chegada da pandemia e o aumento do desemprego, muitos brasileiros viram no empreendedorismo a oportunidade de conseguir uma renda mensal. A criação...