Bancos dos EUA podem chegar a US$ 700 bi em empréstimos podres

Testes de estresse mostram instituições resilientes, mas Fed proíbe recompra de ações.

Internacional / 21:26 - 25 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Federal Reserve Board (Fed) divulgou na quinta-feira os resultados de seus testes de estresse para 2020 e análises de sensibilidade adicionais realizadas à luz do evento do coronavírus. “Os resultados de nossas análises de sensibilidade mostram que nossos bancos podem permanecer fortes diante dos choques mais severos”, afirmou o vice-presidente Randal K. Quarles.

Além de seu teste de estresse normal, o Fed conduziu uma análise de sensibilidade para avaliar a resiliência de grandes bancos sob três recessões hipotéticas ou cenários negativos, que poderiam resultar do evento do coronavírus. Os cenários incluíam recessão e recuperação em forma de V, de U ou de W.

Nos três cenários negativos, a taxa de desemprego atingiria um pico entre 15,6% e 19,5%. As perdas com empréstimos para os 34 bancos variaram de US$ 560 bilhões a US$ 700 bilhões. Sob os cenários em forma de U e W, a maioria das empresas permanece bem capitalizada, mas várias se aproximam dos níveis mínimos de capital. A análise de sensibilidade não incorpora os efeitos potenciais dos pagamentos de estímulos governamentais e o aumento do seguro-desemprego.

A partir desses resultados, o Fed decidiu proibir recompras de ações, limitar o pagamento de dividendos de acordo com uma fórmula baseada em receitas recentes. O objetivo é preservar o capital dos bancos. Durante o terceiro trimestre, nenhuma recompra de ações será permitida. Nos últimos anos, as recompras de ações representaram aproximadamente 70% dos pagamentos aos acionistas de grandes bancos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor