Bancos e fintechs podem impulsionar crédito para amenizar crise

Por Breno Costa.

Opinião / 16:02 - 25 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Assim como todas as demais áreas da economia, a tendência do volume de concessões de crédito é de clara desaceleração. Mas, ainda assim, o mecanismo pode e deve ser uma das mais importantes ferramentas do arsenal econômico para amenizar os efeitos da pandemia do coronavírus no PIB brasileiro. A projeção para 2020 dada pelo relatório Focus de 13 de março recuou para 1,68%. Há quatro semanas, o incremento esperado era de 2,23%. A tendência é que as perspectivas para o PIB recuem ainda mais nas próximas semanas. O Credit Suisse, por exemplo, cortou a sua estimativa de crescimento para zero.

Com a abrupta queda da demanda, empresas precisarão de fôlego para sobreviverem à crise e, portanto, será a postura das instituições financeiras brasileiras, tanto das grandes e tradicionais como das recém-chegadas fintechs, o divisor de águas entre a quebra de pequenas e médias ou sua sobrevivência.

 

90% das pequenas empresas não têm

colchão de liquidez para se proteger

 

Tais estabelecimentos, geralmente familiares, não têm estrutura para aguentar semanas ou meses com demanda reduzida ou quase zero, como é o caso de bares e restaurantes. Isso não quer dizer, entretanto, que tenham problemas financeiros estruturais, mas sim que precisam de caixa para fechar as contas durante este período.

No caso das pessoas físicas, a necessidade de aumento na concessão de crédito pessoal será sentida no médio prazo, pois a redução da renda e aumento do desemprego não são efeitos tão imediatos como a queda do capital de giro das PMEs. Mesmo assim, é preciso lembrar que o endividamento das famílias já era um problema pré-crise, e que o cartão de crédito e o cheque especial respondem por 80% do total. Não é de se descartar, portanto, um aumento na inadimplência, pois estas duas linhas exibem taxas de juros elevadas.

Felizmente, a postura das instituições financeiras demonstra que o momento é de consciência social, ou seja, não deve ocorrer um forte enxugamento da oferta de crédito. Um exemplo disso é que as cinco principais instituições associadas à Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander – aderiram à prorrogação de dívidas por 60 dias para pessoas físicas, micro e pequenas empresas, com exceção das linhas de cartão de crédito e o cheque especial.

Para pessoas físicas, a prorrogação abrange linhas de empréstimo pessoal, de crédito imobiliário e aquisição de veículos. Para as pequenas empresas, a medida será destinada apenas para financiamento de capital de giro, linha utilizada pelos empreendedores para garantir o fluxo de caixa.

Além disso, ainda este mês entrou em vigor as alterações nas regras dos depósitos compulsórios. Segundo a estimativa do Bacen, as medidas têm potencial de injetar R$ 135 bilhões no mercado, porém isso dependerá das instituições financeiras. Mas ainda assim é preciso avançar, e aí é que as fintechs poderão desempenhar um papel importante.

Embora ainda limitadas por uma capacidade de funding reduzida, baseada fortemente em Fidcs, essas startups financeiras têm utilizado tecnologias inovadoras e modelos de negócios mais flexíveis que as tornam capazes de levar a concessão de crédito de uma forma mais abrangente e democrática não só às PMEs, mas também a pessoas com histórico de crédito inexistente ou com maior dificuldade de comprovação.

Segundo pesquisa realizada pelo Sebrae em parceria com a Associação Brasileira de Fintechs, a ABFintechs, na metade das fintechs brasileiras pelo menos 30% dos clientes são formados por pequenos negócios, sendo que em 40% dos casos as MPE são maioria na carteira de clientes. Apenas 10% da fintechs não atendem a pessoas jurídicas, e 84,1% delas demonstraram interesse em desenvolver produtos e serviços específicos às necessidades das micro e pequenas empresas.

Dados de mercado dão conta que, até o mês passado, cerca de 90% das empresas de pequeno porte tinham capital de giro para seu dia a dia, mas não um colchão de liquidez para se proteger.

Deve-se lembrar que o Brasil ainda não conseguiu se recuperar completamente da última crise. Entre 2015 e 2016, o PIB recuou 7,5%, e de lá para cá, o crescimento anual ficou ao redor do 1%. Mas isso não quer dizer que o mesmo ocorrerá daqui para frente. A recessão destes anos foi estrutural. O que ocorre agora é uma crise pontual que vem de fora. Nestes casos, a retomada tende a ser bem mais rápida.

Para acalmar o mercado, a autoridade monetária destacou que ainda conta com mais balas na agulha para que as concessões de crédito continuem a apoiar a retomada da economia e assegurar a estabilidade financeira. Fora isso, toda a ajuda será bem-vinda. O momento é de incerteza, mas, sem dúvida, de união, criatividade e consciência social.

 

Breno Costa

Diretor da Neurotech.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor