Bancos públicos menos receptivos que privados

Empresas de pequeno porte só conseguem vida melhor nas cooperativas.

A dificuldade de pequenas empresas obterem crédito no Brasil é histórica. Com a crise, a retração dos bancos é ainda maior, deixando as linhas de financiamento propostas pelo Governo Bolsonaro no papel. Novidade é onde encontram maior resistência. Analisando a procura de crédito junto aos agentes financeiros, a 3ª Pesquisa do Impacto do Coronavírus nos Pequenos Negócios realizada pelo Sebrae mostrou que os empresários recorreram mais aos bancos públicos (63%), seguidos dos bancos privados (57%) e cooperativas de crédito (10%).

Entretanto, avaliando a taxa de sucesso desses pedidos, o estudo do Sebrae mostrou que as cooperativas de crédito lideram na concessão de empréstimos (31%) e, na sequência, aparecem os bancos privados (12%) e os bancos públicos (9%).

As instituições estatais foram a principal alavanca para impedir uma catástrofe maior na economia, como ocorreu em 2008/2009. Agora, depois de cinco anos e meio de ministros fundamentalistas à frente da Fazenda/Economia, performam (no jargão ao gosto de seus dirigentes) pior do que os bancos privados.

 

Sem copyright

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), exibe nas redes a economia de R$ 2,5 milhões anuais em manutenção dos jardins do Centro Administrativo (elefante branco deixado de herança por Aécio Neves, indiciado no início do mês por superfaturamento na construção).

A fórmula de Zema para a economia é utilizar detentos do sistema prisional, que conseguem em troca redução na pena. Faltou dar o crédito da ideia a Wagner Victer, que implantou isso em todos os prédios da Cedae em 2007, quando presidia a companhia de saneamento do Rio de Janeiro.

Zema precisa mesmo beber em boas iniciativas administrativas. Nesta terça-feira, ele pagou o 13º – do ano passado.

 

Novo normal

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio de Janeiro (Abrasel RJ) lançou uma cartilha preparando os estabelecimentos para quando a reabertura for autorizada. São recomendações, seguindo orientações da Anvisa e da OMS, com sugestões como separação mínima de 1 metro entre as cadeiras ou 2 metros entre as mesas, reforço na higienização (inclusive das comandas individuais em cartão) e cardápios digitais ou ao menos plastificados.

O documento gratuito pode ser baixado aqui.

 

Sem crise

Enquanto o mundo discute como minimizar os impactos da pandemia, o Senado brasileiro toca um concurso para contratar ainda este ano mais 40 funcionários.

 

Gripezinha

Dirigentes do Flamengo parecem não ter assimilado lições com a morte de 10 jovens da base no incêndio no Ninho do Urubu, há 1 ano. Contrariando Prefeitura e Governo do Rio, recomeçaram os treinos do time principal nesta terça-feira, mesmo dia em que se reuniram com Bolsonaro.

 

Rápidas

Desde 15 de maio, a Associação de Supermercados do Rio (Asserj) distribui máscaras descartáveis para empregados e clientes que esquecerem o acessório. A previsão é distribuir 50 mil unidades apenas na capital *** Nesta quinta-feira, às 20h, o presidente do ICRio, Leandro de Matos Coutinho, e o CEO do Grupo Epicus, Sérvulo Mendonça, debatem “Compliance em tempos de Covid 19: contratações públicas sem licitações” *** Até o final de maio, o Passeio Shopping oferecerá uma série de dicas para toda família no Facebook *** O Sistema Fecomércio RJ, através de seu projeto social Mesa Brasil Sesc, passou a contar com o apoio do Comando Conjunto Leste. A unidade militar atuará na logística de arrecadação e distribuição de alimentos e material de higiene a pessoas em situação de vulnerabilidade social *** A Megamatte põe em debate possíveis soluções pós pandemia, em mais uma edição do Web Mega Talks, com Julio Monteiro, CEO da rede, Dario Neto, diretor do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, e Patrícia Sanches, coordenadora de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da Claro. Nesta quinta-feira, ao meio-dia, no canal da rede no Youtube *** O Hospital Unimed Volta Redonda passou a fazer parte grupo Coalizão Covid Brasil, que reúne hospitais que estão conduzindo estudos para o tratamento do coronavírus. Participam da iniciativa estabelecimentos como Hospital Israelita Albert Einstein e Sírio-Libanês, além do Ministério da Saúde.

 

 

 

 

 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Sanções contra Rússia levam inflação na Europa para perto de 2 dígitos

Preços da energia subiram 42% em 1 ano.

Emprego cresce na Espanha após mudanças na reforma trabalhista

Números ainda são influenciados pela recuperação pós-pandemia.

Preço do cobre cai 25% desde o pico em 2022

Riscos de recessão aceleraram desvalorização do metal.