Barclays prevê menor crescimento

Acredite se Puder / 16:51 - 21 de jun de 2001

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A alta nas taxas de juros, maior que a esperada, e as declarações de Armínio Fraga levaram os analistas estrangeiros a refazerem suas projeções sobre o desenvolvimento da economia brasileira. Apesar do presidente do Banco Central afirmar que estão mantidas as metas, a Barclays Capital alterou suas previsões de crescimento para o Brasil de 4% para 2,4% por cento neste ano e de 3,6% para 1,2% em 2002. A elevação da taxa Selic para 18,25% foi interpretada como sinal de crescimento desacelerado no país, pois torna mais caro tanto para as empresas quanto para as pessoas contrair empréstimos para financiar gastos. A crise energética também foi levada em consideração para a redução nessa previsão. Bancos podem gerenciar flutuação do câmbio? Segundo Gabriel Jorge Ferreira, presidente da Febraban, os bancos têm condições de administrar a flutuação do câmbio. O pitoresco é que o representante dos bancos afirma que a atual não tem razão para acontecer, de vez que o ajuste fiscal está mantido e o Banco Central administra isso com a intenção de normalizar a inquietação dos mercados. Gabriel não anunciou como será tal controle? Agora, todos querem saber, pois são os bancos os maiores especuladores no mercado de câmbio. Quem será o responsável O presidente da Febraban defende que o processo normativo do sistema financeiro seja mais democrático, com maior representação de diversos setores da sociedade no Conselho Monetário Nacional. E espera que a reforma do sistema de pagamentos, a ser realizada no próximo ano, tire do Banco Central o risco sistêmico, ou seja, quando uma instituição financeira decretar falência, o BC não mais ficará responsável por seu saldo negativo, o que diminuiria também o Custo Brasil. Gabriel Jorge Ferreira participou de audiência na comissão da Câmara dos Deputados que discute a mudança da proposta de emenda constitucional que altera a regulamentação do sistema financeiro. Não revelou, no entanto, qual o seu plano para a proteção de correntistas e investidores. Havia necessidade? Atendendo recomendação da Comissão de Valores Mobiliários, a Bovespa só permitiu a negociação das ações do Banco do Brasil a partir das 11 horas no pregão de ontem. A punição para os investidores foi suspensa quando a instituição confirmou que estudos estão sendo promovidos no âmbito do governo federal para o ajustamento da sua situação patrimonial, de modo a se enquadrar nos limites de capital e patrimônio líquido mínimos exigidos pela autoridade reguladora. O BB, no entanto, enfatizou que enquanto não forem concluídos os trabalhos nada será divulgado.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor