Bardella e o ocaso da burguesia nacional

Companhias que se fortaleceram no 'milagre econômico' foram sendo vendidas para multinacionais.

O pedido de recuperação judicial da indústria Bardella tem um componente simbólico. A empresa era uma tradicional fabricante de bens de capital paulista, que cresceu no "milagre econômico" da ditadura, assim como outras companhias que aliaram capacidade de produção à inovação. A Bardella forneceu maquinários para a construção da hidrelétrica de Itaipu e para as usinas nucleares de Angra I e II.

Com a crise da dívida, na década de 1980, e a abertura irresponsável de Collor e FHC, na década seguinte, uma a uma as indústrias nacionais foram sendo adquiridas por concorrentes multinacionais, de porte infinitamente maior. Foi o caso da Metal Leve e da Cofap. Das que resistiram, poucas estão em boa situação. A WEG é uma exceção à regra.

A Bardella e outros fabricantes de bens de capital tiveram um sopro de esperança com as encomendas para o setor de óleo e gás, capitaneadas pela Petrobras, nos governos do PT. A Lava Jato tratou de interromper este ciclo. A deposição de Dilma e a ascensão de governos ultraneoliberais decretaram o fim da política de conteúdo local.

A venda de campos de óleo, de bens e subsidiárias da Petrobras traz um novo componente deletério para a indústria nacional. As empresas compradoras, estrangeiras, priorizam as encomendas em seus fornecedores tradicionais, fora do Brasil. Além do prejuízo com a desnacionalização de um setor estratégico, perde-se também o desenvolvimento de empresas nacionais fortes, com tecnologia de ponta.

Junto com o ocaso das indústrias brasileiras, foi-se também a elite burguesa que tinha algum compromisso com o país. Hoje, as companhias que continuam operando ou estão sob administração de fundos e instituições financeiras, ou seguem com controle local, normalmente familiar, à espera de uma boa proposta do exterior para vender e passar a viver de renda.

 

Latinas em queda, Petrobras em alta

A renda líquida das mil empresas na classificação mais recente da Latin Trade (LT1000) caiu para US$ 100,7 bilhões. Em 2018, a renda atingira US$ 121 bilhões. As cinco maiores mantiveram suas posições: Petrobras, com um salto de 5.034% na renda líquida em comparação ao ano anterior; Pemex (alta de 20%); América Móvil (+1,7%); JBS (perda de 4,9%); e Vale (+5,8%).

A LT1000 classifica as mil maiores empresas não financeiras e listadas em bolsas de valores da América Latina quanto às receitas, ativos e lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês).

 

Liberdade e sigilo

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgou nota em que condena “toda e qualquer iniciativa que vise a intimidar o livre exercício do jornalismo ou pretenda afrontar o direito constitucional ao sigilo da fonte.”

A ANJ diz esperar que os princípios da liberdade de imprensa e do sigilo da fonte sejam respeitados em relação à cobertura que diferentes veículos de comunicação vêm dando a vazamentos de conversas relacionadas à Operação Lava Jato.

Ao mesmo tempo, a ANJ considera que o trabalho de investigação policial sobre eventuais ilegalidades cometidas na obtenção de informações relacionadas à Lava Jato é necessário e ocorre dentro da normalidade”, finaliza a nota.

 

Último dia

O prazo para entrega da Escrituração Contábil Fiscal termina nesta quarta-feira. Seu preenchimento e entrega são obrigatórios para todas as empresas, exceto para as optantes do Simples Nacional. De acordo com Mauricio Balassiano, diretor de Certificação Digital da Serasa Experian, quem não entregar a ECF nos prazos fixados fica sujeito a multa equivalente a 0,25%, por mês-calendário ou fração, do lucro líquido antes do IRPJ e da CSLL, no período a que se refere a apuração, limitada a 10%.

 

Negócio do Brasil

O incrível caso do país que não vende barril de petróleo, mas poço de petróleo, para comprar barril de diesel ou gasolina de quem comprou poço de petróleo. É “gestão” que se chama?

 

Rápidas

Luiz Affonso Romano ministra mais uma turma do Curso de Desenvolvimento de Consultores (intensivo) em São Paulo, em 2 e 3 de agosto (sexta e sábado) *** Um dos principais nomes no mundo da cardiologia intervencionista, o médico Hector Garcia, do Medstar Washington Hospital Center, vem ao Rio para o II Simpósio Internacional de Cardiologia da Rede D’Or São Luiz, que acontece em 16 e 17 de agosto.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução