Barômetro 3º Trimestre de 2021: Inflação dificulta recuperação global

Por Coface For Trade.

A Coface For Trade divulgou seu barômetro do 3º trimestre de 2021 e sugundo o estudo, cerca de 18 meses após o início da recessão global desencadeada pela pandemia da Covid-19, a recuperação econômica ganha força. Essa tendência se deve muito ao progresso na distribuição da vacina durante o verão, especialmente nas economias avançadas. Por sua vez, isso está estimulando uma recuperação no consumo de serviços de alto contato. A situação permanece heterogênea nas economias emergentes: essa recuperação está beneficiando os países exportadores, enquanto as economias dependentes de serviços continuam atrasadas.

Apesar da perspectiva positiva, sinais de que a recuperação global está perdendo ímpeto estão se acumulando. Surtos de pandemia em elos críticos da cadeia de suprimentos resultaram em interrupções no abastecimento, alimentando as pressões sobre os preços. Essas interrupções estão começando a afetar a produção e as vendas dos fabricantes em todo o mundo. Ventos contrários representados por preocupações com a oferta, escassez de mão de obra e inflação, juntamente com a ameaça persistente da Covid-19, aumentam a lista de riscos e incertezas.

À luz da recuperação contínua, a Coface atualizou suas avaliações de risco para 26 países, incluindo Alemanha, França, Itália, Espanha, Suíça e Bélgica. Fortes exportações de produtos manufaturados para mercados avançados estão gerando lucros para economias exportadoras na Europa Central e Oriental (Polônia, Hungria, Tchéquia), na Ásia (Coreia do Sul, Cingapura, Hong Kong) e na Turquia. Depois de rebaixar 78 avaliações de risco-país no ano passado, essas elevações são adicionais às 16 já implementadas no primeiro semestre de 2020. Elas são acompanhadas por 30 melhorias de avaliação setorial.

O avanço da vacinação ainda apoia a recuperação

As tendências econômicas globais destacadas em nosso último Barômetro foram amplamente confirmadas no terceiro trimestre. O avanço da vacinação na Europa Ocidental e na América do Norte ajudou a evitar novas ondas de restrições rigorosas de mobilidade e está alimentando o otimismo de que uma repetição dos lockdowns do ano passado será evitada. No entanto, a ameaça da Covid não desapareceu: taxas de vacinação mais baixas em mercados emergentes – particularmente em países de baixa renda – ainda representam o risco do surgimento de variantes resistentes às vacinas disponíveis atualmente.

O setor manufatureiro global se recuperou rapidamente desde meados de 2020, impulsionado pelo aumento dos gastos com bens de consumo. Por causa da forte demanda das famílias, fortes fluxos de comércio continuam a ser um suporte fundamental para o crescimento econômico, especialmente na Ásia-Pacífico.

A demanda por eletrônicos e commodities está de fato beneficiando vários mercados da região, como Coreia do Sul e Taiwan. A economia de vários países exportadores de commodities (Rússia, Ucrânia, África do Sul, Chile, Argélia etc.) também é sustentada por preços mais altos. Na Europa Central e Oriental, as exportações competitivas da região e a ampla integração nas cadeias de abastecimento europeias também apoiam o crescimento das exportações.

Em termos de tendências setoriais, a flexibilização e a suspensão das restrições em países onde as taxas de vacinação são as mais altas está contribuindo para uma mudança nos gastos das famílias para serviços de alto contato, como varejo, hotelaria e recreação. A recuperação do setor de turismo continua mais desafiadora.

Interrupções na cadeia de suprimentos e a inflação atrapalham a recuperação

No entanto, os ventos contrários estão se acumulando, especialmente no lado da oferta da economia. O alto nível de poupança em países de alta renda gerou uma rápida recuperação nos gastos do consumidor. Ao mesmo tempo, interrupções pandêmicas criaram interrupções na cadeia de abastecimentos que estão atrapalhando as atividades comerciais. A competição por commodities e insumos é forte, dificultando a produção industrial em nível global e, em alguns casos, impactando as vendas. Isso é especialmente verdadeiro para a escassez de semicondutores, que está impactando uma ampla gama de indústrias, desde a automotiva até os setores de tecnologias de informação e comunicação, tanto em economias avançadas quanto emergentes.

Os preços das commodities, custos de insumos e taxas de frete aumentaram desde o verão de 2020. Muitas commodities bateram níveis recordes. Esse tem sido notavelmente o caso da energia – especialmente com a disparada dos preços do gás na Europa e na Ásia – os preços dos metais, da madeira e dos alimentos. Aumentos generalizados de preços de commodities e insumos também se traduziram em aumento dos preços ao consumidor. A taxa de inflação harmonizada na Zona do Euro atingiu 3,4% em setembro, o maior nível em 13 anos. Isso ecoa um aumento da inflação observado na maior parte do globo, principalmente nos Estados Unidos, onde a taxa de inflação também oscilou em uma alta de 13 anos de 5,4% nos últimos 4 meses até setembro. Um pico na inflação é esperado em breve nas economias avançadas, mas os riscos tendem para o lado positivo.

O dilema da inflação pode ser complicado por relatos de escassez de mão de obra, já que as empresas oferecem remunerações mais altas para preencher as vagas. Um aumento nos custos trabalhistas pode significar pressões inflacionárias mais persistentes. Diante desse risco, alguns bancos centrais – incluindo o Federal Reserve dos EUA e o Banco da Inglaterra do Reino Unido – já sinalizaram que o fim das políticas monetárias ultra acomodatícias se aproxima.

Na Europa, enquanto o BCE acompanha de perto a dinâmica da inflação com preocupação, o aperto continua sendo uma perspectiva mais distante. Nas economias emergentes, vários bancos centrais tiveram de aumentar suas taxas básicas de juros nos últimos meses, devido a preocupações com o aumento da inflação.

O lado fiscal da equação continuará favorável nas economias avançadas. Na Europa Ocidental, embora muitos governos nacionais continuem a apoiar ainda mais sua economia até o final do ano, o fundo de recuperação da UE (no valor de 750 bilhões de euros) será lentamente pago. Nos EUA, os próximos passos da resposta fiscal ainda são incertos, já que partes importantes da agenda econômica do presidente Joe Biden ainda estão sendo debatidas no Congresso.

Economia chinesa vive uma turbulência

Também importante para a economia global, a economia da China mostrou sinais de desaceleração em direção ao 2º semestre de 2021. No terceiro trimestre, o PIB cresceu 4,9% em relação ao ano anterior, o ritmo mais lento desde o terceiro trimestre de 2020. Em bases trimestrais, a atividade mal cresceu (+ 0,2%). Projetamos que a economia da China cresça 7,5% este ano, esperando que o crescimento do PIB permaneça baixo no último trimestre.

Vários fatores estão por trás da desaceleração da atividade econômica chinesa: aperto da política no crescimento do crédito, desaceleração do consumo doméstico e racionamento de energia para as indústrias. Outro fator está relacionado às metas de “carbono duplo” da China, levando à imposição de políticas de restrição à produção de aço, já que o setor é responsável por cerca de 15% das emissões de carbono do país. Como resultado, o volume da produção mensal de aço caiu de quase 100 milhões de toneladas em maio para 83,2 milhões em agosto, com mais cortes na produção de aço previstos para 2021.

Considerando o papel da China no comércio internacional e nas cadeias de suprimentos regionais, uma desaceleração econômica representaria riscos negativos significativos para a atividade econômica asiática, mas também em outros mercados emergentes na América Latina, Oriente Médio e África.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Caixa e BB são destaques em governança mas Guedes quer privatizar

Estatais converteram prejuízo de R$ 35 bi em 2015 para superávit de R$ 135 mi em 2021.

Venda de imóveis novos em SP mantém estabilidade em outubro

Em valores monetários, houve queda do Valor Global de Vendas em relação a outubro de 2020.

Aumento do número de juízes dos TRFs é sancionado por Bolsonaro

Lei 14.253, de 2021 não gera aumento de despesas.

Últimas Notícias

Nova pandemia alerta turismo e a compra de moeda estrangeira

Turistas devem planejar bem o momento de comprar.

Brasil tem 63,4 milhões de inadimplentes e dívidas chegam a R$ 253 bi

Bancos e cartões de crédito encabeçam ranking das contas responsáveis pela inadimplência.

Gilberto Gil torna-se imortal da Academia Brasileira de Letras

O grande cantor, compositor e ex-ministro da Cultura Gilberto Gil foi eleito recentemente para a cadeira número 20 da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Embaixador: A China é muito importante para Chile

“Queremos mostrar ao mundo, principalmente à China, que mesmo Chile sendo um país pequeno na costeira da América do Sul e na borda do mundo, está bem perto da China”, disse em uma entrevista Luis Schmidt Montes, Embaixador Chileno na China.

Caixa e BB são destaques em governança mas Guedes quer privatizar

Estatais converteram prejuízo de R$ 35 bi em 2015 para superávit de R$ 135 mi em 2021.