BASF compra energia renovável da Brookfield para sua base na China

A gigante química alemã BASF assinou nesta terça-feira um contrato de aquisição de energia renovável com preço fixo por 25 anos com a Brookfield, uma gestora de ativos alternativos, sob as regras de comércio de energia renovável da província de Guangdong, no sul da China, informou o Securities Daily na quarta-feira.

Foto aérea tirada em 10 de junho de 2021 mostra a usina hidrelétrica de Baihetan, no sudoeste da China. (Xinhua/Xu Bingjie)

Xinhua - Silk Road

 

Beijing, 13 mai (Xinhua) — A gigante química alemã BASF assinou nesta terça-feira um contrato de aquisição de energia renovável com preço fixo por 25 anos com a Brookfield, uma gestora de ativos alternativos, sob as regras de comércio de energia renovável da província de Guangdong, no sul da China, informou o Securities Daily na quarta-feira.

De acordo com o contrato, a Brookfield construirá usinas fotovoltaicas exclusivas, parques eólicos e desenvolverá possíveis soluções de armazenamento de energia para a BASF abastecer sua nova base integrada na cidade de Zhanjiang, da província de Guangdong, com energia renovável a um preço fixo por 25 anos.

Esta é a primeira transação de longo prazo com preço fixo no mercado de energia renovável da China.

A BASF está comprometida em transformar a base integrada de Zhanjiang em um modelo de produção sustentável e pretende fornecer 100% de energia renovável para toda a base até 2025, disse Lin Hanping, vice-presidente sênior da BASF e chefe da base integrada de Zhanjiang da companhia.

Este é um passo importante para a BASF atingir a meta de neutralidade climática e também contribuindo para a meta de redução de emissão de carbono na China, acrescentou Lin.

Nesta transação, as duas partes adotam pela primeira vez o padrão Levelized Cost of Energy (LCOE1) para precificar os projetos de energia renovável em desenvolvimento e construção, abrindo um precedente no campo do comércio de energia verde na China.

O projeto de base integrada da BASF Zhanjiang foi anunciado em julho de 2018 e lançado oficialmente em novembro de 2019. Ele será construído e operado pela BASF de forma independente.

Após a conclusão, ele se tornará o maior projeto de investimento da BASF até o momento, com um investimento total de cerca de 8 bilhões a 10 bilhões de euros. Também se tornará a terceira maior base de produção integrada da BASF no mundo.

A base integrada está prevista para ser concluída integralmente em 2030, e a primeira unidade de produção entrará em operação em 2022. Fim

Leia também:

Banco de Desenvolvimento da China reforça apoio à energia limpa

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

Receita do setor postal da China aumentou 6,3% de janeiro a abril

A indústria postal chinesa registrou um aumento constante na receita de negócios nos primeiros quatro meses deste ano, mostram os dados oficiais.

Comércio da China com países do Cinturão e Rota registra crescimento

Os laços econômicos e comerciais da China com os países ao longo do Cinturão e Rota se fortaleceram significativamente na última década, afirmou Sheng Qiuping, vice-ministro do Comércio da China, nesta sexta-feira.

Últimas Notícias

Mundo pode ter 1 milhão de pessoas jogadas na pobreza extrema em 2022

Segundo Oxfam, bilionários lucraram durante a pandemia às custas de milhões.

Doria desiste da corrida presidencial

Em seu discurso, tucano diz que 'o PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano.'

Ministério quer explicações da TecToy sobre carregador

Produto não tem autorização para ser vendido no mercado brasileiro.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

ONS: chuvas mantêm afluências estáveis

Reservatórios permanecem sem surpresas na terceira revisão de maio; carga de energia aumentou 2,2% em abril em comparação com 2021.