BB é escalado para a operação de salvamento

Rio de Janeiro / 20:35 - 11 de nov de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Meirelles descarta intervenção federal no Rio [caption id="attachment_559494" align="alignright" width="226"]Meirelles: intervenção impediria votação do teto dos gastos Meirelles: intervenção impediria votação do teto dos gastos[/caption] O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, descartou uma intervenção federal no Rio de Janeiro com objetivo de regularizar a situação fiscal e econômica do estado. Mas admitiu que existem operações financeiras possíveis, envolvendo royalties futuros provenientes da exploração do petróleo. “Existem possibilidades de que o Rio possa dar como garantias receitas provenientes da exploração do petróleo, os royalties, para serem colocadas no mercado. O Banco do Brasil já estruturou uma operação dessa para o Estado do Rio no passado e está trabalhando intensamente para estruturar, é uma das coisas que estamos trabalhando”, detalhou, confirmando operação de socorro anunciada pelo MONITOR MERCANTIL. O pedido de intervenção federal chegou a ser ameaçado pelo governador Luiz Fernando Pezão. Meirelles considerou que os efeitos podem ser muito piores do que as possíveis soluções. Especial-mente para os planos do Governo Federal: uma intervenção paralisaria as votações no Congresso Nacional, onde o presidente Michel Temer e Meirelles tentam aprovar a toque de caixa projetos de cortes de gastos sociais. “A intervenção federal é uma prerrogativa do presidente da República. O presidente, com a aprovação do Congresso, pode decretar a intervenção federal. Isto não é os governadores ou prefeitos que possam decretar, eles podem pedir. E a intervenção federal não será decretada no Rio de Janeiro”, garantiu o ministro. Meirelles lembrou que não é apenas o Rio que atravessa dificuldades financeiras, situação que também acontece em outros estados. “A situação do Rio é a mais dramática, de fato a mais aguda. Mas, evidentemente, temos de olhar a situação de todos os estados, não se poderia tomar medidas individuais”, disse o ministro.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor