BB na mira

“Colocaram a raposa no galinheiro dos ovos de ouro”. Assim começa matéria do Sindicato dos Bancários do Rio de...

Colocaram a raposa no galinheiro dos ovos de ouro”. Assim começa matéria do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, que acusa o banco Itaú de ditar os rumos da privatização do Banco do Brasil. Em 2016, segundo a entidade dos trabalhadores, foi contratada, sem licitação, por “notório saber”, a Falconi Consultores de Resultados, para reestruturação da instituição pública, o que o sindicato classifica como “preparar o desmonte do BB”. O objetivo do Governo Temer seria enxugar a estrutura do banco público, deixando-o pronto para a privatização, política que começou no Governo Fernando Henrique Cardoso. “Entre os membros do Conselho de Administração da Consultoria Falconi está Pedro Moreira Salles, à época da contratação presidente do Conselho de Administração da holding Itaú Unibanco, atualmente presidente do Conselho Diretor da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban)”, prossegue o Sindicato dos Bancários.

A primeira fase da reestruturação resultou no fechamento de 402 agências, extinção de 9.400 postos de trabalho e redução salarial drástica que atingiu quase 4 mil funcionários. O trabalho continua. A Falconi está trabalhando na Diretoria de Tecnologia do banco. O temor dos funcionários é que se abra espaço para a substituição de concursados por empresas terceirizadas.

A privatização do BB seria impensável há dois anos. Mas, desde o golpe que derrubou Dilma Rousseff, setores de extrema direita agem com desenvoltura e pressa, já que não sabem por quanto tempo mais ficarão no poder sem votos. Assim, tramam a privatização da Eletrobras. E chega-se ao ponto do prefeito de São Paulo, João Doria Jr., que tenta ser o candidato da direita à Presidência da República, falar com todas as letras que parte da Petrobras deveria ser vendida ao setor privado.

 

Negócios da China – 1

Quatrocentos empresários desembarcarão de dois Boeings 777, trazendo na bagagem dois contêineres de 40 pés contendo amostras de produtos que vão de tratores a colheres de pau para a China HomeLife Brazil 2017 e a China Machinex Brazil 2017, que acontecerão entre 19 e 21 de setembro, no São Paulo Expo Center.

As expositoras são selecionadas pelo governo chinês entre mais de 4 milhões de pequenas e médias empresas que já exportam para os Estados Unidos e Europa. O evento faz parte da iniciativa Cinturão e Rota (One Belt Iniciative) do governo chinês e acontece em 11 países, abrangendo 14 diferentes indústrias e mais de 54 setores de cada uma delas.

Em 2016, foram mais de 5 mil empresas expositoras gerando mais de US$ 500 milhões em negócios junto a 100 mil compradores. O evento começa pela Turquia, passando por Cazaquistão, Polônia, Índia, Emirados Árabes Unidos, Egito, África do Sul, Jordânia e, pela primeira vez em 2017, México.

Para dar suporte à continuidade dos negócios, o governo chinês acaba de lançar também os portais China247, que disponibilizam para os empreendedores a possibilidade de refazer seus estoques com apenas alguns cliques.

 

Negócios da China – 2

A Fundação Getulio Vargas realiza em Beijing, em 1º e 2 de setembro, a Conferência Desafio Brasil + China 2017, realizado em parceria com a Universidade de Pequim e a Brasa Ásia, a primeira organização de estudantes brasileiros oficialmente registrada no continente asiático. O evento tem por objetivo construir uma nova agenda de desenvolvimento para o Brasil a partir da troca de experiências com a China e antecede a cúpula do Brics, que acontece de 3 a 5 de setembro, na cidade chinesa de Xiamen. Informações: http://brazilchinachallenge.org/

 

Para não dizer

Dar flores para um casal comprova intimidade?

 

Rápidas

Ricardo Maranhão, conselheiro da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) dá depoimento na CPI que investiga o programa de desinvestimentos da estatal. Será nesta quinta-feira, a partir das 10h, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), com transmissão pela TV Alerj, canal 12 da NET do Rio *** No dia seguinte, a Comissão de Trabalho da Alerj, presidida pelo deputado Paulo Ramos (Psol), faz oportuna audiência pública sobre as privatizações ensaiadas pelo Governo Temer e o impacto na economia do estado. A partir de 10h30 *** Nesta quarta-feira, a partir das 12h, a EY e a Endeavor realizam o Conexões Rio de Janeiro, com a presença do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga. O debate tem como objetivo discutir o momento político-econômico com empreendedores locais. Será no Rubayat Rio (R. Jardim Botânico, 971 – Jardim Botânico, Rio de Janeiro).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Últimas Notícias

Oportunidades vistas em maior recuperação produtiva após corte de RRR

O corte do coeficiente de reserva exigida (RRR, sigla em inglês) do Banco Central da China com início do 15 de dezembro deve oferecer um melhor apoio à economia e pode estimular oportunidades de investimento a partir de uma maior recuperação da lucratividade dos fabricantes listados, relatou a Xinhua Finance citando a China Merchants Fund Management Co., Ltd. na terça-feira.

Primeiro lote de e-commerce transfronteiriço de Hainan FTP no exterior

Uma empresa chinesa do porto de livre comércio (FTP, sigla em inglês) de Hainan exportou recentemente o primeiro lote de mercadorias para seu depósito no exterior por meio do comércio eletrônico transfronteiriço.

Brasil é o 9º país que mais gastou com tarifa pré-paga

No Uzbequistão paga-se somente R$ 0,11 pelo mesmo benefício.

Faria: De R$ 9,7 bi de multas, só R$ 900 milhões foram pagos no setor

Menos de 10% das multas aplicadas são pagas.

PEC dos Precatórios abre espaço de R$ 65 bi no Orçamento de 2022

Precatórios não pagos podem chegar a R$ 121 bilhões em 2026.