BC garante cumprir meta de inflação de 2022

Em apresentação nesta sexta-feira em uma conferência promovida pelo banco Goldman Sachs, na capital dos Estados Unidos, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou ser perfeitamente possível colocar a inflação na meta em 2022. Ele afirmou que o BC fará o que for necessário para tanto.

“É perfeitamente possível fazer o trabalho, a menos que outros choques aconteçam, com esse ritmo que estamos mantendo”, declarou Campos Neto. “É importante enfatizar que nossa meta é 2022 e faremos o que for preciso para colocar a inflação na meta nesse horizonte”, disse.

O BC tem reafirmado que prosseguirá com o ritmo de alta de 1 ponto percentual nos juros em sua próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para o fim deste mês. Desde março, quando iniciou o ciclo de aperto, o BC elevou a Selic, taxa básica de juros, em 4,25 pontos, ao patamar atual de 6,25% ao ano.

Conforme a Reuters, a sinalização da autoridade monetária é de que será necessário levar a taxa de juros para patamar “significativamente contracionista” – que atua no sentido de desaquecer a economia – para domar as persistentes pressões inflacionárias.

Para Campos Neto, a manutenção do ritmo de subida nos juros garante ao BC tempo para analisar o cenário. “Vemos que o melhor jeito de atuar é manter o ritmo, entendendo que a (taxa) terminal é o mais importante e o tempo que ganhamos é muito valioso para conseguirmos decifrar as informações no curto prazo e também para entendermos como essa transmissão está acontecendo na curva de juros e como as expectativas estão se comportando, argumentou.

Campos Neto também está em Washington para participar de reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI). Campos Neto afirmou ter observado, a partir desses encontros, que há questionamento global sobre o que está acontecendo com a demanda por bens, por que está havendo esse deslocamento de maior procura por esses produtos e o quanto disso é apenas uma consequência dos recursos que ficaram disponíveis a partir de programas de transferência de renda.

O presidente do BC disse à Reuters que o crescimento da China também é outro tópico que está sendo abordado nas conversas, especialmente quanto ao impacto para economias emergentes de uma desaceleração econômica do país asiático.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Leme é o bairro com aluguel mais caro no Rio; em São Paulo, Itaim Bibi

Depois de quase dois anos, a taxa de imóveis vazios disponíveis para aluguel no Rio e à espera de um inquilino voltou ao patamar...

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões