BC é intocável

O presidente Lula se recusou a escrever o prefácio de um livro sobre reforma política, porque, entre os artigos da obra, se encontrava um em que o sociólogo Francisco de Oliveira criticava a independência do Banco Central. A revelação é feita pelo próprio Oliveira em entrevista à Revista Fórum, que chega às bancas neste fim de semana. Rompido com o governo desde o primeiro ano do Governo Lula, Oliveira contou que o livro era fruto de um grupo que ele coordenava no PT: “O livro seria coordenado por mim, Maria Victoria Benevides e Paulo Vannuchi (atual secretário especial de Direitos Humanos) e o prefácio seria escrito pelo Lula. O recado do Vannuchi é que, se aquele texto do BC saísse, o presidente se negava a assinar o prefácio.”

Também não quero
Ao saber do recado do presidente, Chico Oliveira não renegou seu sangue pernambucano e retrucou de primeira: “Respondi de cara: se ele se nega a escrever um prefácio de um livro que tem um texto meu, eu me nego a escrever num livro que tenha um prefácio assinado por ele”, contou, segundo a revista.

Pau para toda obra
A ser mantido o ritmo de confissões múltiplas paridas por Khaled Sheikh Mohammed em sessões secretas em tribunais militares norte-americanos, detonadas depois de sua passagem por instalações mantidas pela CIA ao redor do mundo, o Governo Bush está muito próximo de resolver alguns dos principais crimes da história dos Estados Unidos. Não se trata da fantasiosa versão sobre a participação de Khaled nos atentados de 11 de Setembro, mas de assuntos tão ou mais nebulosos, como o assassinatos do presidente Kennedy, seu irmão Robert e, quiçá, de Abraham Lincoln: foi tudo culpa da Al Qaeda.

Lacre ameaçador
O Sistema Firjan e o Sindicato da Indústria de Produtos Cosméticos e Higiene Pessoal do Estado do Rio de Janeiro entraram com ação no Tribunal de Justiça para derrubar a chamada Lei do Lacre. “Essa lei impõe uma obrigatoriedade sem paralelo no Brasil ou no exterior, de lacre nas embalagens de cosméticos. O custo desnecessário imposto pela lei tornará os cosméticos do Rio de Janeiro não-competitivos frente aos produzidos em outros estados e no exterior”, alerta a Firjan, que promete ir ao Supremo Tribunal Federal para barrar a iniciativa. Segundo a entidade, a lei ameaça a manutenção dos 5 mil empregos da indústria de cosméticos no estado.

Tudo ou nada
Em 2005, os trabalhadores terceirizados somavam 4,1 milhões de pessoas, quase 16% do total dos empregados do setor privado (26,4 milhões de pessoas). Dez anos antes, eram apenas 1,8 milhão, o equivalente a 9,2% do total. O deputado Roberto Santiago propôs à Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público a criação da Subcomissão Especial Sobre a Terceirização no Trabalho. “Há, tramitando na casa, projetos que propugnam desde a proibição até a total liberação da terceirização no Brasil”, afirma Santiago.
De acordo com estimativas do economista Marcio Pochmann, da Unicamp, citado pela Agência Brasil, “a terceirização representa uma economia de cerca de 7% nos gastos com folha de pagamento e encargos sociais”. Em 2005, esse percentual representou R$ 26 bilhões.

Verde e amarelo
O livro As empresas estatais e o processo de desenvolvimento sustentável: um Brasil dos brasileiros, de Jorge Rubem Folena de Oliveira e Verlene Tavares, põe em xeque o conceito do Estado mínimo e conclama o poder público a reassumir sua qualidade de principal agente das atividades relacionadas à segurança nacional e ao interesse coletivo. O autor propõe à sociedade discutir o papel da empresa pública na economia brasileira. O lançamento será precedido por debate, nesta segunda-feira, às 18h30, na Ordem dos Advogados do Brasil – OAB/RJ (Av. Marechal Câmara, 150 – 9° andar).

Nova visão
No próximo dia 20, o Instituto Varilux da Visão doará 244 lentes para crianças da pré-escola da rede municipal de ensino de Campinas (SP). A ação faz parte do projeto Mais Visão e é uma parceria do Instituto Varilux com o Instituto Penido Burnier. Cerca de 27 mil crianças já passaram pela triagem visual. Dessas, 12,5% foram encaminhadas para consulta, sendo que 2,8 mil são da pré-escola.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDéficit primário
Próximo artigoDoa a quem doer

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso