Belo Monte inicia geração comercial de energia

Empresas / 12:25 - 20 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Usina Hidrelétrica Belo Monte iniciou a geração comercial de energia, nesta quarta-feira, com a entrada em operação da primeira máquina, que adiciona mais 611,11 MW ao Sistema Interligado Nacional, informou, em comunicado, a Norte Energia, empresa concessionária da usina. Segundo a Norte Energia, a primeira turbina a gerar energia comercialmente, no Sítio Belo Monte, está instalada na casa de força principal do empreendimento. "Lá, estão em fase de montagem outras 17 unidades geradoras, que serão concluídas e acionadas, gradativamente, até 2019. Também foram iniciados os testes para geração comercial da primeira turbina no Sítio Pimental, onde está o vertedouro e a barragem principal da usina. Na casa de força complementar, serão seis turbinas do tipo bulbo, cada uma com potência de 38,8 MW", diz o comunicado. De acordo com a empresa concessionária, as obras de Belo Monte estão praticamente concluídas e os trabalhos de montagem eletromecânica continuam no empreendimento. A previsão é que a cada dois meses, em média, seja ativada uma nova turbina até o pleno funcionamento da hidrelétrica, em 2019. "Belo Monte terá capacidade instalada de 11.233,1 MW, dos quais 11 mil MW na casa de força principal e 233,1 MW na casa de força complementar. A usina vai gerar para as distribuidoras que compraram energia no leilão de 2010, atendendo assim a 60 milhões de pessoas em 17 estados do Brasil", diz a nota da Norte Energia. Brasil foi o quarto país em crescimento de energia eólica em 2015 Relatório anula do Global World Energy Council (GWEC) com dados mundiais de energia eólica mostra que, em 2015, foram adicionados 2,75 GW de energia eólica à produção do Brasil, com novas 1.373 turbinas em 111 parques eólicos, superando a marca dos 2,5 GW instalados em 2014. "O Brasil tem alguns dos melhores ventos do mundo, três vezes superior à necessidade de eletricidade do país. Este ano, o recorde de geração eólica do Brasil foi quebrado por produzir 10% da demanda nacional de energia no dia 2 de novembro, mostrando o excelente desempenho operacional da energia eólica no Brasil. O sólido crescimento da indústria eólica brasileira deverá continuar: o governo brasileiro, em conjunto com a indústria eólica, estabeleceu uma meta de alcançar 24 GW de energia eólica de em 2024, cobrindo 11% da geração do Brasil. A energia eólica já contratada para 2019 deve trazer capacidade instalada total de 18,67 GW", aponta o relatório do GWEC, que também afirma que "o Brasil segue como o mercado mais promissor na América Latina". Na análise mundial, o GWEC afirma que 2015 foi "um ano sem precedente para a indústria eólica, já que as instalações do ano passaram a marca de 60 GW pela primeira vez na história, ultrapassando 63 GW de nova capacidade eólica. O último recorde havia sido em 2014 quando 51,7 GW foram instaladas no mundo todo". Em capacidade instalada total em 2015, o Brasil aparece no ranking do GWEC em 10º lugar, com 8,715 GW de capacidade instalada. Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor