Berlusconi chileno

“De tanto considerar-se um país da OCDE, distanciado da América Latina, o “tigre latinoamericano”, o Chile ganhou um Berlusconi. Esse é o molde de Sebastien Piñera, recém eleito presidente do Chile, fazendo com que a direita volte ao governo – depois de ter ocupado violentamente o poder, mediante uma ditadura militar, de 1973 a 1990.” A ironia é do cientista político Emir Sader, em artigo na edição digital da Agência Carta Maior – http://www.agenciacartamaior.com.br

Herança em cheque
Embora lamente que, durante as décadas que se seguiram ao fim da ditadura de Pinochet, a esquerda chilena não tenha sabido construir uma alternativa antineoliberal naquele país, Sader diz que, apesar do elevado preço a ser pago pela derrota, esta abre uma possibilidade positiva: “O povo chileno pagará caro esse erro da esquerda, que agora tem, pelo menos, a possibilidade de colocar em questão o modelo herdado do pinochetismo.”

Olhar para a AL
Para que consiga construir uma alternativa ao neoliberalismo no Chile, Sader aconselha a esquerda chilena a “olhar para a América Latina, para ver distintas expressões de governos populares e de blocos sociais e políticos que levam a cabo esses governos, como referência, para que o Chile volte a assumir seu lugar no processo de integração regional e de construção de alternativas efetivamente de esquerda, nas terras de Allende, Neruda e Miguel Enriquez”.

Exército do ronco
Cerca de 40% da população brasileira sofrem com algum distúrbio que interrompe o sono, das quais 30% roncam e 4% sofrem de apnéia. Considerando que a população do Rio de Janeiro é de cerca de 6 milhões de pessoas, isso significa que 180 mil roncam e 24 mil sofrem de apnéia. E, segundo a Associação Brasileira do Sono, o número de pessoas com distúrbio do sono tende a aumentar nos próximos anos.

Perdas de tirar o sono
De acordo com a associação, os distúrbios do sono elevam os índices de acidentes de trânsito e de trabalho em sete vezes, sendo que cerca de 30% deles são provocados por sonolência excessiva durante o dia. Nos Estados Unidos, por exemplo, o absenteísmo no trabalho provocado por distúrbios do sono causa prejuízo de US$ 16 bilhões por ano: “É preciso, mais do que nunca, alertar as pessoas para que dêem a devida importância para a qualidade do sono e assim ter qualidade de vida”, ressalta o dentista Fausto Ito, da Ito Clínica e que trabalha com apnéia e ronco há cerca de 12 anos.

Falta de ar
Ito observa que o ronco é o primeiro sinal emitido pelo organismo para alertar sobre a existência de alguma coisa errada com a respiração durante a noite. Se não for tratado, ele pode evoluir para a apnéia do sono, uma parada respiratória que ocorre durante o sono relacionada a sérios problemas a saúde, como arritmias, pressão alta, infarto e derrame cerebral. “As pessoas com apnéia têm a impressão de que vão morrer por falta de ar ou engasgadas. Ao longo do dia são sonolentas e mal-humoradas devido à péssima qualidade do sono”, salienta o especialista.

Não foi ficção
O cineasta Silvio Tendler enviou correspondência ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, cobrando a punição dos torturadores da ditadura militar. No e-mail, Tendler conta que, por receber uma carta que lhe enviara do Chile, sua mãe foi levada ao DOI-Codi, onde, “foi humilhada e um dos “patriotas” que a conduziram assumiu de forma permanente a guarda do relógio que entrou com ela na PE e não voltou para casa”.

Pedagógica
Tendler assinala que a proposta de julgamento de torturadores não pode ser confundida com qualquer ataque às Forças Armadas como instituição, sendo voltada para o futuro e não para o passado: “A punição exemplar de criminosos desestimulará semelhantes práticas no futuro e terá uma função pedagógica para os que caiam em tentação de uso indevido dos poderes do Estado, que entendam que não vivemos no país da impunidade”, defende, destacando que a proposta já obteve apoio num abaixo-assinado firmado por “um punhado de cidadãos”, que já ultrapassa 10 mil nomes.

Artigo anteriorIncrédulos
Próximo artigoMobilidade
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.