Biden investe US$ 8 bi em energia; Brasil quer privatizar setor

Maior produtor de energia dos EUA, o Texas ficou sem água e sem energia nesta semana por conta da onda de frio que atingiu o estado. As informações são da BBC. Já de acordo com o Estadão, o presidente Joe Biden apresentou ontem “novos programas para melhorar o sistema de transmissão de energia elétrica no país. As iniciativas principais do esforço incluem mais de US$ 8 bilhões do Departamento de Energia para financiar novas linhas de transmissão de alta voltagem, como parte de um esforço para combater a mudança climática por meio de melhoras na infraestrutura necessárias para expandir o uso de energias alternativas.”

A BBC acrescenta que Biden “aprovou declaração estado de emergência no Texas, abrindo caminho para investimento de fundos federais no combate à emergência climática pela qual o Estado passa.”

No Brasil, no mesmo período, o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) aprovou leilão de energia. Até a privatização, que ainda precisa ser aprovada pelo Congresso, a Eletrobras deverá adaptar-se às normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e preparar a documentação a ser analisada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelos demais órgãos de controle. A companhia também deverá contratar serviços técnicos especializados para a emissão e oferta pública de ações e implementar as demais ações necessárias para a desestatização.

As atribuições da Eletrobras durante o processo de privatização foram definidas ontem pelo Conselho do PPI. Caberá ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) prestar apoio à empresa e executar e acompanhar o processo de capitalização até o encerramento. O órgão também aprovou leilões de contratos de energia nova A-3 e A-4 para 25 de junho, com a publicação do edital prevista para maio. Os contratos durarão 30 anos para energia hidrelétrica e 20 anos para os demais empreendimentos (energia eólica, solar e térmicas).

No caso dos contratos de energia nova A-5, o leilão ocorrerá em 30 de setembro, com edital previsto para agosto. Os projetos hidrelétricos durarão 25 anos. Os contratos para termelétricas a biomassa, carvão e a resíduos sólidos urbanos terão 20 anos. Os projetos de energia eólica e solar durarão 15 anos.

 

Com informações da Agência Brasil, da BBC e do Estadão

Leia também:

Confirmadas as privatizações da EBC e Eletrobras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis

Comércio Brasil-Canadá deve bater maior nível da história

Intercâmbio neste ano entre os dois países caminha para ultrapassar o recorde na corrente comercial visto em 2021.

Egito quer diminuir consumo de energia e exportar mais gás

Governo lançou plano para economia de energia; objetivo é gerar mais excedente de gás natural para exportar, favorecendo entrada de dólares.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis