Bilhete azul

A Fecomercio de São Paulo defende mecanismos de cobrança e mesmo de destituição dos responsáveis pelas agências reguladoras em caso de incompetência. Em sua forma atual, a lei que criou as agências reguladoras prevê punição apenas em caso de corrupção. A entidade, porém, ainda acredita na autonomia das agências. “É imprescindível que a escolha das diretorias das agências seja feita a partir de critérios técnicos e não político-partidários”, afirma.

Estado privatizado
Uma dúvida assalta os consumidores: os que asseguram que o comportamento pró-empresas da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) é exceção entre as demais agências reguladoras nacionais poderiam apontar uma pró-consumidor? Ou, pelo menos, de ação menos assimétrica?

Cassino
Maior fiscalização sobre o mercado de energia, que se transformou, após a desregulamentação, num paraíso de especuladores, é o que propõe o senador norte-americano Carl Levin, democrata de Michigan. Junto com três outros senadores, ele trabalha em um projeto de lei para acabar com certos tipos de manipulação prejudicial do mercado energético. A medida, que eles esperam apresentar no outono de lá (primavera no Brasil), fecharia a chamada “brecha da Enron”, que isenta plataformas de negociações eletrônicas de fiscalização reguladora federal.
O projeto colocaria essas plataformas sob as mesmas regulamentações das negociações realizadas Nymex, a bolsa mercantil de Nova York. No final de junho, o subcomitê integrado por Levin divulgou um relatório detalhando “especulação excessiva” nos mercados de gás natural ano passado por parte do fundo hedge Amaranth Advisors, que acabou entrando em colapso. “O problema é que há pessoas que dependem dos resultados futuros do gás natural para as suas escolas, empresas e serviços de utilidade pública”.

Peito aberto
Prestes a ser desembarcado da presidência Infraero, o brigadeiro José Carlos Pereira, certamente, tem sua parcela de responsabilidade pelo caos aéreo. No entanto, de uma coisa não pode ser acusado: de se omitir durante o furacão que tomou conta do setor, principalmente, a partir da queda do Airbus da TAM. Enquanto a esmagadora maioria das demais autoridades tomou chá de sumiço, incluindo o presidente Lula, Pereira foi um dos raros integrantes da  cúpula a não se furtar a falar com a imprensa. Produziu pérolas, como a de que estava tranquilo “porque aviões em terra não caem”, mas jamais deixou de responder a qualquer assunto da sua área.

Gol mil
A milésima patente registrada pela Petrobras merecerá uma placa, oferecida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), na abertura do X Encontro Repict, nesta quarta, no Hotel Othon, no Rio de Janeiro.

Oportunidade
A Federação das Indústrias no Estado do Rio de Janeiro (Firjan) organiza uma missão com micro e pequenas empresas fluminenses à Anuga, a maior feira internacional de alimentos e bebidas do mundo, que ocorrerá em outubro na cidade de Colônia, na Alemanha. Grandes compradores e produtores mundiais estarão presentes em busca de clientes e fornecedores. As inscrições para a caravana terminam no dia 3 de agosto.

Auto-imagem
Do sociólogo Carlos Alberto Dória, no artigo “Que educação a ignorância requer? (http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2832,1.shl): “Em relação à matemática propriamente dita, o péssimo desempenho dos jovens brasileiros significa que eles não compreendem convenientemente os conceitos de quantidade, espaço e forma, mudanças, correlações e incerteza. Apesar disso, 61% dos estudantes se consideram bons em matemática, contra 36% dos coreanos e 28% dos japoneses. Os brasileiros também têm opinião de que sempre que estudam matemática se concentram no fundamental (86%), ao passo que apenas 26% dos japoneses têm essa auto-imagem de desempenho pessoal.”

Freud explica
Pergunta de uma amiga dessa coluna: se juntarmos o “relaxa e goza” da Marta Suplicy, o gesto do Marco Aurelio Garcia, o movimento do assessor, a dança da Angela Guadagnin, será que atingiremos o Ponto G mencionado anteriormente por Lula?

Artigo anteriorVírus lulista
Próximo artigoPara poucos
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.