Bilionários dão adeus à rainha

A imposição de controles sobre empresas offshore no Reino Unido deve afastar os bilionários do mercado de imóveis de ultraluxo de Londres. Os ricaços serão obrigados a revelar que são os verdadeiros donos das empresas sediadas em paraísos fiscais. O fim do anonimato deve levar à venda das mansões, preveem corretores, já pessimistas devido ao impacto da crise internacional, como a queda no preço do petróleo, que reduziu a procura por imóveis na capital.

Atualmente, a manutenção da identidade secreta beneficia quem simplesmente não quer expor seus nomes, mas também favorece corruptos, cleptocratas e traficantes, além de facilitar a lavagem de dinheiro. Metade dos compradores de imóveis de luxo o fazem através de offshores. De cerca de 100 mil propriedades de companhias estrangeiras no Reino Unidos, mais de 44 mil estão em Londres, incluindo uma em cada três mansões da Bishops Avenue, conhecida como Ala dos Bilionários.

O controle, porém, tem um furo: é autodeclaratório. Se não forem feitas investigações para confirmar as informações, nada mudará.

Sem Fies

Isso é o que se pode chamar de marketing de oportunidade, e com tempo perfeito: o dublê de apresentador de TV e garoto-propaganda Luciano Huck começou a anunciar o PEP (Parcelamento Estudantil Privado), programa de financiamento em que o consumidor, digo, o estudante paga 70% do valor do curso após a conclusão. Para cursos até quatro anos, afirmam não ter juros. “Um processo simplificado e ágil. O único parcelamento pré-aprovado para estudantes.” Detalhe fundamental para a boa qualidade do ensino: não exige nota do Enem. O sistema é capitaneado pelo grupo Anhanguera.

A conta

A denúncia é de Fernando Brito, no blog O Cafezinho: a francesa Total deverá levar a imensa jazida de óleo leve e gás que a Petrobras suou para descobrir em Sergipe. São boatos que circulam nos corredores da estatal, segundo Brito.

Fila na porta

Revistas semanais acostumadas a comparecer no caixa da Petrobras todo início do ano para vender “publicidade antecipada” – e que, em 2015 e 2016, tiveram suas pretensões cortadas em 80% por conta da crise na estatal – já se preparam para voltar à carga. Uma, recente, mas feroz, crítica ao governo deposto, pegou R$ 14 milhões em 2014, e viu sua “quota” minguar para R$ 2 milhões no ano seguinte.

Subindo

A Editora Contraponto, de Cesar Benjamin, teve seu crédito pela linha do Cartão BNDES (juros de 2% ao mês) cortado pelo Banco do Brasil, operador do sistema. O banco, segundo a editora, reconhece que nunca houve atraso em uma única parcela, mas alega que os juros fazem com que essa linha de crédito seja pouco rentável para os padrões brasileiros. Segundo o gerente, o banco precisa cuidar dos interesses dos seus acionistas. Como alternativa, o BB oferece as linhas de financiamento tradicionais, com taxas de juros de fazer corar agiota.

Este comportamento deve virar rotina. No BNDES tucano – em que taxas mais próximas das internacionais são tidas como uma aberração – os juros devem ser elevados para “padrão de mercado”.

Lado positivo

Pelo menos escapamos da Elena Landau na presidência do BNDES.

Rápidas

Integrantes da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) estarão em Brasília nesta quarta-feira para elaborar documento com medidas urgentes e estruturantes para o país que será ao presidente interino, Michel Temer *** A Feira de Adoção de Animais, organizada em parceria com o Projeto Entre Pegadas, volta ao Carioca Shopping no próximo sábado (21) *** “Competitividade e Competência: De Athenas ao Rio o que mudou?” é o tema escolhido para a 18ª edição do Congresso Anual da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), que acontecerá entre 19 e 22 de maio no Laje de Pedra Hotel e Resort, em Canela, no Rio Grande do Sul. Mais informações em http://anefac.com.br/Congresso_internas.aspx?ID=27 *** A Câmara Espanhola de Comércio do Brasil em colaboração com o escritório comercial da Embaixada da Espanha realiza o fórum Espanha, Inspiração Olímpica Rio 2016, nesta quinta, na ACRio (Rua da Candelária, 9 – Mezanino – Rio de Janeiro/RJ) *** Que rumo está tomando seu negócio? Essa e outras questões serão debatidas no dia 23 próximo, durante a 11ª edição do Congresso da Micro e Pequena Indústria, realizado pela Fiesp e pelo Ciesp, no Hotel Renaissance, na capital paulista. Inscrições: http://hotsite.fiesp.com.br/mpi/2016 *** A Conferência da Poultry Science Association (PSA) será realizada pela primeira vez no Brasil, de 4 a 6 de outubro, em Campinas (SP). Trata-se do principal encontro de pesquisa da avicultura mundial e será o primeiro fora da América do Norte em mais de cem anos de sua realização *** Como superar a crise e manter a empresa competitiva? É para responder essa pergunta que a Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RJ) realiza nestas terça e quarta, no Centro de Convenções SulAmérica, o RH-RIO, congresso estadual de gestão de pessoas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUber e o trabalho
Próximo artigoBalão de ensaio

Artigos Relacionados

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões