Black Friday brasileira fez e-commerce crescer 49%

Setor de eletrônicos teve o maior crescimento de vendas virtuais, com alta de 50% em relação ao ano anterior.

De acordo com o levantamento da Mastercard, SpendingPulse, que mede os gastos dos consumidores em todos os tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque, as vendas virtuais no Brasil durante a Black Friday cresceram mais de 49% em comparação ao mesmo período do ano passado. Especificamente, o setor de eletrônicos se mostrou como a categoria mais forte, com expansão de mais de 50% no comparativo com a mesma data em 2019.

Segundo o levantamento da Mastercard, a Cyber Monday também registrou forte expansão no mês, com um crescimento de 95.2%. O setor de móveis teve destaque de vendas, registrando um crescimento de 96,3%, ambos no comparativo com o ano passado.

Outro estudo, intitulado Brasil Digital e desenvolvido pela OLX, apontou que comprar pela internet tem sido um hábito cada vez mais comum entre os brasileiros e que se intensificou em 2020 com a pandemia e o isolamento social. O levantamento revela que 71% dos consumidores se sentem confortáveis para realizar compras no comércio eletrônico.

A pesquisa busca traçar as práticas de segurança do brasileiro e suas preferências entre formas de pagamento no comércio eletrônico. Para isso, entrevistou 1.906 pessoas, entre os dias 19 de setembro e 19 de outubro de 2020.

Na hora de comprar em lojas virtuais, 34% dos entrevistados indicaram o cartão de crédito como a opção preferida para pagamento. Outros 34% preferem pagar via boleto bancário e 13% preferem em dinheiro.

Já para a compra de itens seminovos ou usados, a preferência pelo modo de pagamento do consumidor muda. Segundo a pesquisa, 51% dos entrevistados preferem pagar em dinheiro vivo e 14% escolhem a opção de cartão de crédito. Outros 11% optam por pagar de forma online, por meio de aplicativos de pagamento ou QR Code.

Em um ano marcado pelos impactos econômicos da pandemia da Covid-19, o e-commerce bateu recorde no Brasil e no mundo. Dados do setor apontam que o crescimento das vendas online no primeiro semestre foi o maior dos últimos 20 anos, segundo Ebit/Nielsen.

A pesquisa Brasil Digital também constatou a popularização do cashback, recurso em que é possível ter de volta parte do valor pago em uma compra de produtos ou serviço em determinados locais. Entre os entrevistados, 73% disseram conhecer esse tipo de sistema, mas apenas 29% confirmam ter utilizado ou utilizarem com alguma frequência.

Em 2020, o comércio virtual também foi uma alternativa para gerar renda extra com a venda de itens usados. A pesquisa, porém, identificou que 31% dos entrevistados não fazem uso de carteiras digitais, recursos desenvolvidos para facilitar os processos de pagamento e recebimento de valores.

Leia mais:

iFood registra 2,5 milhões de pedidos na Black Friday

Black Friday supera 2019 em 25%; tíquete médio alcança R$ 652

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.

Preços dos alimentos caem em julho mas ainda estão 13,1% acima de 2021

Óleos vegetais e cereais contribuíram para redução.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.