Black Rock: altas taxas de juros nos EUA devem durar 5 anos

Serviço da dívida norte-americana deve ir para 14% do orçamento, mais que plano de saúde Medicare, estima BlackRock

139
sede da blackrock
Sede da Blackrock (foto de Americasroof, Wikipedia CC3)

As altas taxas de juros nos EUA devem se manter nos próximos cinco anos. A avaliação é de Jean Boivin, diretor do BlackRock Investment Institute e ex-vice-presidente do Banco do Canadá, em entrevista ao Financial Times no final da semana passada.

O diretor da maior gestora de ativos do mundo acredita que “5,5% dos rendimentos de longo prazo de 10 anos nos EUA é o nível que parece consistente com o cenário macro nos próximos cinco anos”.

Bovin não está convencido de que os bancos centrais chegaram ao fim do ciclo de aumentos das taxas de juros: “Vemos a inflação numa montanha-russa: caindo agora, mas começando a se estabilizar algum tempo depois do próximo ano.”

Com altas taxas de juros nos EUA durante cinco anos, o impacto nos orçamentos governamentais será forte: o serviço da dívida dos EUA consumirá cerca de 14% do orçamento. “Essa soma é maior do que a quantia que o país gasta no Medicare, o plano de saúde para aposentados financiado pelos contribuintes”, comparou o diretor da BlackRock na entrevista.

Espaço Publicitáriocnseg

“Acho que isso colocará uma pressão significativa sobre os governos e os EUA”, disse Boivin. “As implicações fiscais destas taxas serão uma grande história – não creio que ainda tenha sido digerida pelos mercados ou pelos governos”.

Dívida quadruplica, e não foram as altas taxas de juros nos EUA

Entre 2007 e 2023, a dívida norte-americana quadruplicou, de US$ 8 trilhões para US$ 33 trilhões. Em 2007, os EUA detinham 5% da dívida mundial total; em 2023, passava de 10% do total.

Isso porque, no mesmo período de 16 anos, a dívida mundial de todos os tipos cresceu menos que nos EUA: de US$ 150 trilhões para US$ 310 trilhões – duplicou, portanto.

Não foram os juros que levaram a esse crescimento. Ao longo deste período, as taxas de juro estiveram próximas de zero durante a maior parte do tempo – após a crise de 2007/2008, só viriam a aumentar a partir de março de 2022.

Mas os bancos centrais – a começar pelo norte-americano Federal Reserve (Fed) – inundaram os mercados de dinheiro barato para impedir quebras e tentar reanimar a economia, no chamado “quantitative easing”.

As altas taxas de juros nos EUA e em outros mercados causa “perdas ainda não realizadas” nas contas dos bancos, uma vez que o preço das antigas obrigações com juro quase zero que detêm seria drasticamente reduzido se fossem vendidas no ambiente atual de 5,33% (taxa média).

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui