Bloco das saúvas

O incômodo mostrado por setores financistas, abrigados dentro e fora do governo, com o crescimento de 7,5% do país em 2010, promove mais uma releitura da famosa advertência do naturalista francês August Saint-Hilaire, que, no seu livro Viagens à Província de São Paulo, na primeira metade do século XIX, advertiu: “Ou o Brasil acaba com a saúva, ou a saúva acaba com o Brasil.” A frase passou por várias apropriações, incluindo autores como Mário de Andrade e Monteiro Lobato, mas, pouco menos de 200 anos após o alerta de Hilaire e em pleno Carnaval, nenhuma saúva é tão daninha ao Brasil quanto a casta dos rentistas, que para manter suas benesses – R$ 195 bilhões em pagamento de juros apenas em 2010 – tramam para limitar o crescimento nacional a índices medíocres.
Acordar tarde
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, deu bolo no presidente da Procter & Gamble do Brasil, Tarek Faraht, que anunciou, nesta sexta-feira, no Palácio Guanabara – sede do governo – investimento no estado da ordem de R$ 115 milhões para a construção de uma unidade fabril em Seropédica e duas expansões nos municípios de Queimados e Itatiaia. A reunião estava marcada para 8h30m, mas Cabral só deu o ar da graça lá pelas 10h30m, quando chegou ao local de trabalho de carro oficial, mas trajando calça jeans, camisa pólo e tênis. Não é somente por ser véspera de Carnaval. Quarta-feira, o governador deixara esperando o todo poderoso presidente do Conselho de Administração da Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter, que anunciou investimentos de R$ 2,5 bilhões no Rio em cinco anos.

Lição para valer
A retórica que eleva o investimento em educação como um dos investimentos prioritários para um país se desenvolver passará por um teste para ver se os partidos passam da teoria para a prática. Por iniciativa do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP), foi protocolado na Câmara dos Deputados projeto de decreto legislativo propondo a realização de um plebiscito nacional, em 2012, sobre a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação pública no país.
O texto, que recebeu apoio de cerca de 180 parlamentares de diferentes partidos, destaca que a elevação dos recursos para a educação é um desafio de natureza estratégica para o Brasil: “A fixação de metas que obriguem a um investimento de recursos capaz de realmente elevar a qualidade da educação nacional e de garantir a todos os brasileiros e brasileiras o direito à educação é uma medida urgente e necessária”, justificou Valente.
Com o aumento da verba para a educação para 10% do PIB, em dez anos, especialistas calculam que seria possível universalizar a educação infantil e o ensino fundamental e médio, erradicar o analfabetismo e quadruplicar as vagas do ensino superior público no país, garantindo educação de qualidade para os brasileiros.
Atualmente, o setor recebe, segundo Valente, apenas 2,89% das verbas anuais da União, contra cerca de 50% do Orçamento federal para a gastança com juros, amortizações e refinanciamento da dívida pública.

Valeu a pena
O parlamentar lembra que Japão, Coréia do Sul e vários países da Europa chegaram a destinar de 10% a 17% do PIB em educação, durante décadas, até consolidarem seu sistema nacional de educação: “Todos os países desenvolvidos que alavancaram para o futuro não deixaram de fazer investimentos maciços em educação durante longos períodos e tiveram resultados muito favoráveis a seu desenvolvimento”, acrescentou.
Já no Brasil, apesar das promessas de prioridade defendidas por todos candidatos, a educação foi uma das maiores vítimas do pacote fiscal da presidente Dilma, perdendo R$ 3,1 bilhões para manter o financiamento à Bolsa Juros.

Dupla cobrança
A cobrança pelos bancos por serviços que a legislação determina serem gratuitos permite às instituições financeiras auferir um lucro extra equivalente a 20% de toda a sua arrecadação e capaz de cobrir 130% de suas folhas de pagamentos. A denúncia é da revista Por Sinal, porta-voz do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central. A publicação destaca que, além de dificultarem o acesso dos consumidores à relação daqueles serviços nas agências – a regulamentação 3.518 do BC determina que a lista seja fixada na unidade bancária – os bancos omitem essas informações nos seus sites: “Ficam em locais que inibem a aproximação do consumidor como próximos ao gerente e ao posto de observação da segurança, a dois metros de altura do chão ou encobertos por outros informativos”, denuncia a revista.

Artigo anteriorRetrato inicial
Próximo artigoGolpe financeiro
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...