BNDES destinará crédito para projetos de eficiência energética

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou o Programa de Garantias a Crédito para Eficiência Energética – FGEnergia, para prestar garantias à concessão de crédito indireto a projetos de eficiência energética. O objetivo é apoiar investimentos que promovam a redução do desperdício de energia elétrica e, consequentemente, a emissão de gases do efeito estufa, além de aumentar a competitividade empresarial para as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs).
O banco de fomento informou nesta terça-feira que a primeira captação será realizada com o Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), através da Eletrobras, no valor de R$ 40 milhões. Com estes recursos, o banco prevê que pode garantir empréstimos de até R$ 330 milhões, já que cada real em garantia impulsiona até oito vezes o valor emprestado. O BNDES também está em contato com outras instituições para viabilizar novas captações de recursos para o FGEnergia.
O BNDES estruturará e fará a gestão do Programa de Garantias, que poderão ser oferecidas para linhas de repasse do BNDES ou linhas próprias dos agentes financeiros parceiros. As garantias cobrirão 80% do valor do financiamento, que pode chegar a R$ 3 milhões por empresa. Os prazos de cobertura variam de 12 a 84 meses.

Garantias

As garantias começarão a ser oferecidas a partir do início do ano. Para ajudar os pequenos e médios empresários, o Banco disponibilizará uma página em seu site no qual será possível inserir os dados do projeto para saber se este está aderente ao FGEnergia. Também serão informadas as instituições financeiras que participarão do programa.
A ideia do FGEnergia surgiu em 2019 dentro do LAB, o Laboratório de Inovação Financeira do BID, no Grupo de Trabalho sobre Finanças Verdes. O FGEnergia foi gestado a partir do sucesso do FGI-PEAC, que no auge da crise da Covid-19, ajudou a gerar mais de R$ 92 bilhões em crédito a 114.355 empresas. Desde lá, o BNDES vem envidando esforços na sua estruturação regulatória e jurídica e na captação de recursos junto a instituições que promovam a sustentabilidade e as finanças verdes.
“Trata-se de um programa totalmente aderente à agenda ASG do BNDES. A redução do consumo de energia, através de projetos de eficiência energética, é uma forma sustentável de atender à demanda energética, com impacto ambiental muito positivo. O Programa é também relevante em razão de sua estrutura financeira inovadora de concessão de garantias, que viabilizará financiamentos para pequenas e médias empresas. A eficiência energética irá se converter em redução de custos e aumento de rentabilidade para as empresas brasileiras”, complementou o diretor de crédito produtivo e socioambiental do BNDES, Bruno Aranha.

Leia também:

BNDES libera R$ 30 mi à Paulista DPR Telecomunicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Receita abre segunda-feira consulta a lote residual do IR

Total das restituições atinge R$ 281,9 milhões

Recuperação de estradas federais terá crédito de R$ 418 milhões

Recursos serão aplicados nas rodovias mais atingidas pelas chuvas em 14 estados.

Imposto maior para 59 mil daria isenção a 10 milhões de trabalhadores

Tributação mais justa afetaria menos de 0,1% da população.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...