BNDESPar ajudou a estruturar indústria brasileira

Paulo Rabello de Castro não acredita na extinção da subsidiária do BNDES: 'Os integrantes do governo são inteligentes'.

O BNDESPar tem tido papel muito relevante no fomento de atividades estruturantes do país, garante Paulo Rabello de Castro, ex-presidente do banco. O secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do governo, Salim Mattar, quer acabar com o braço de participações do BNDES, colocando à venda todas as fatias de empresas que possui.

Castro aponta que, apesar dos riscos, a contribuição do BNDESPar é majoritariamente positiva. “Como presidente, pude avaliar resultados alcançados, e foram muito mais positivos que negativos. Estamos falando de risco empresarial, logo alguns dão certo e outros não, o importante é que seja de contribuição positiva.”

O BNDESPar “ajudou a estruturar segmentos industriais nas últimas décadas, viabilizou investimentos em segmentos tão importantes quanto petróleo, energia elétrica – principalmente hidrelétrica – papel e celulose, indústria química, bens de capital e expansão internacional de vários segmentos. Dificilmente teria sido feito com mero aporte de capitais privados, pois o mercado de capital privado no Brasil é massacrado pela taxa de juros.”

O economista admite que, no futuro, as iniciativas como a de participação acionária podem não ser tão necessárias. “Pode ser que o futuro seja diferente do passado. Se o governo disser que a taxa de juros está normal no Brasil, muito provavelmente uma parte desse segmento de fomento pode ser gradualmente defasada ou substituída por maiores atividades de fomento nas pequenas e médias empresas do país”, completa.

Paulo Rabello de Castro finaliza dizendo não acreditar que o governo tenha a intenção de acabar com o BNDESPar agora. Segundo ele, “os integrantes do governo são inteligentes” e “o tema é muito mais complexo”.

A associação dos empregados do banco (AFBNDES) mostrou, semana passada, que de 2001 a 2016 o BNDESPar respondeu por cerca de 30% da lucratividade do banco e teve valorização de 413%. O Ibovespa, principal índice de ações do país, subiu 294,7% no período.

 

Transparência

O deputado estreante Luiz Flávio Gomes (PSB-SP) protocolou seu primeiro projeto de decreto legislativo para sustar os efeitos do Decreto 9.690/2019 que criou possibilidades de restrição no acesso às informações públicas, afetando o alcance da bem-sucedida Lei de Acesso à Informação (LAI).

 

Pagador de promessas

João Dória disse que levaria chocolates para Lula na prisão, mas não cumpriu a promessa – assim como garantiu que não largaria a prefeitura para ser governador. Poderia pagar a conta com Lula e ainda levar doces para companheiros presos, como Marcelo Odebrecht e Sergio Cabral.

 

Rápidas

O Almoço do Empresário da Associação Comercial do Rio (ACRJ) terá palestra do economista, ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, com o tema “Desafios para o Brasil”. Será dia 12, 11h30 *** O Shopping Grande Rio realiza dia 10 o evento gratuito “Psicologizando – Psicologia ao alcance de todos” *** A Oficina de Slime voltará no Passeio Shopping em 9 e 16 de fevereiro *** O Peixe Urbano tem novo CEO: Ilson Bressan, que está na companhia há oito anos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Gás e luz puxam inflação em setembro das classes D/E: 11% no acumulado

Frutas, aves, ovos e leites e derivados também influenciaram.

Fome dói, adoece e mata!

Por Renata Abreu.

Prevenção contra o AVC

Por Ricardo Brizzi.

A Lei de Biossegurança em pauta no STF

Uso de transgênicos não é tarefa fácil. Qual será a medida menos onerosa para as futuras gerações?