Bolha do óleo

O alerta é de operadores experientes dos mercados financeiros. A advertência feita esta semana pelo megainvestidor George Soros sobre os riscos ensejados pela formação das bolhas nos mercados futuros de petróleo e outras commodities não deve ser vista como uma demonstração de “bom mocismo”: “Certamente, ele, junto com um grupo de grandes players, deve estar “vendido” e esperando uma inversão de tendência do mercado. Quando isso acontecer, os “comprados” vão ter de se acertar com ele”, prevê.

Sem ganhadores
Apesar de o risco de estouro da bolha do óleo e outras commodities ser compartilhado, há algum tempo, por esta coluna, existe um risco extra e bem mais grave: na hora da quebra do cassino, não haver liquidez para cobrir as trilionárias perdas. O próprio Soros admite, em sua advertência, o risco de o mundo repetir o crash das bolsas de 1987.

Mais Bric
“Bric ou RIC – Soberania ou Submissão” será tema de debate nas Faculdades Simonsen. O palestrante será o engenheiro Osvaldo Nobre, autor do livro com o mesmo nome. A palestra vai abordar a posição geopolítica do Brasil na economia mundial. O debate será dia 12 próximo, às 18h30, na R. Ibitiúva, 151 – Padre Miguel – Rio de Janeiro – RJ. . Informações em: www.simonsen.br

Vitrine
Expolojas 2008 – o maior evento do setor no Rio de Janeiro – será realizada nos dias 11 e 12 de setembro, no Centro de Convenções SulAmérica. Promovida pelo CDL-RIO e Sindilojas-Rio, a exposição chega à sua terceira edição com a expectativa de gerar R$ 6,5 milhões em negócios e receber cerca de 7 mil visitantes nos seus 160 estandes. A feira acontece desde 2006, quando recebeu três mil visitantes, no Riocentro. Em 2007, mais de cinco mil pessoas estiveram no evento, na Marina da Glória, com R$ 5 milhões em negócios.

Dazibao carioca
Principal ligação entre as Zonas Norte e Sul do Rio de Janeiro, o Túnel Santa Bárbara teve suas paredes transformadas num mural aberto. Nas pistas dos dois lados, sucedem-se inscrições dos mais variados sentidos. De pichações de torcidas organizadas a protestos contra baixos salários de policiais militares, passando por convocações, como “Funcionários estaduais, uni-vos” e críticas ao governador Sérgio Cabral (PMDB). Com a correria que marca o cotidiano do carioca, as inscrições atraem maior atenção nos horários de rush, quando motoristas engarrafados acabam dando uma olhada para os lados.

Artigo anteriorJejum decisório
Próximo artigoTudo de novo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

G20 promete ‘financiamento total’ de compra de vacinas pela OMS

Medida desbloquearia quase US$ 20 bilhões.

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.