Bolha volta a atacar

Superior à enchente provocada em Nova Orleans pelo furacão Katrina é o dilúvio de liquidez que tem sido lançado nos mercados financeiros nos últimos anos, especialmente pelo Federal Reserva (espécie de banco central privado dos EUA). Relatório do banco central australiano afirma que o valor dos ativos dos mercados acionários mundiais é hoje 62% maior que em 2003.

A vida como ela é
De gênese opinativa, esta coluna se manteve até aqui – salvo manifestações pontuais – pouco explícita a respeito do referendo sobre a proibição ou não da venda de armas e munição, no Brasil. Essa postura não impediu o acompanhamento crítico de uma campanha, iniciada há pelo menos um ano, sob maciço e unívoco apoio de mídia, e que evoluiu de uma variação do Lulinha paz&amor entre os homens de boa vontade para a promessa – ainda que um tanto constrangida – de acabar com a violência no país, a partir de  aspecto periférico de problema tão árido quanto complexo.
Adepta da paz social, a coluna esperava um debate no qual fossem tratadas as causas estruturais da violência, como desemprego elevado, concentração de renda, desaparelhamento das polícias e a promulgação – acompanhada da devida aplicação – de leis à altura dos novos tempos e desafios.
Tal movimento de mobilização nacional culminaria num chamamento à população para se pronunciar sobre formas efetivas de combater o problema, como limitar a autonomia de autoridades para desviarem para o mensalão de rentistas e especuladores recursos constitucionalmente previstos para fins não-financeiros. Ou ainda, se os brasileiros são contra ou a favor de limitar a prática da usura oficial, condenada já por Santo Agostinho.
A ausência desses temas na campanha indica que o referendo não passa de empulhação. Por trás de desejos bem intencionados e até de ingenuidade comovente, escondem-se interesse$ muito bem-definido$, adeptos do desarmamento unilateral dos cidadãos e do país, enquanto os outros antagonistas se armam até os dentes. A essa manobras diversionistas, os brasileiros devem dizer NÃO!

Petrobras
A Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro comemora nesta terça-feira, às 18h30, os 52 anos da Petrobras. Os homenageados fogem do time chapa branca normalmente associado a esse tipo de homenagem. São o engenheiro aposentado Jorge Eduardo do Nascimento, o economista Francisco Soriano Souza Nunes, o atual presidente da Ambep, Yvan Barreto, o engenheiro Paulo Metri, a economista Ceci Vieira Juruá e a ouvidora da empresa, Maria Augusta Carneiro Ribeiro. A iniciativa é do deputado Paulo Ramos (PDT).

Bússola
O publicitário Aroldo Araujo, presidente da agência de mesmo nome, é o mais novo integrante do Conselho de Turismo da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Nesse conselho que foi criada a Embratur. “A própria logomarca da empresa tem um significado ligado às viagens e ao turismo – uma bússola”, lembra Aroldo.

Sol
Interessados em trabalhar nos EUA – cuidar de crianças em uma casa de família - podem participar da palestra sobre o programa Au Pair, dia 29, às 11h, na unidade na Barra da Tijuca (Shopping Downtown) da Experimento Intercâmbio Cultural. O salário mensal é de apenas US$ 556, mas com alimentação e moradia na própria residência em que trabalhar. Inscrições pelo telefone (21) 2512-2143.

TI
A influência da tecnologia da informação na transformação de recursos aplicados às operações industriais será o foco do Congresso ProIndústria 2005. No evento, que acontece nos dias 3 e 4 de novembro, no Centro Fecomercio de Eventos em São Paulo, palestrantes destacarão as atuais tendências e conceitos da TI e gestão de produção.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.