Bolsa cai e dólar tem maior alta em 14 meses

Mercado financeiro reage aos discursos de Bolsonaro na véspera.

No dia seguinte às ameaças de Jair Bolsonaro às instituições brasileiras, a Bolsa de São Paulo (B3) teve um pregão de forte baixa. A queda ao final desta quarta-feira, de 3,78%, foi a maior, em termos percentuais, desde 8 de março. Em pontos, a Bovespa recuou para 113.412,84, menor patamar desde 24 de março.

Na mão oposta foi o dólar, com alta de 2,89%, a maior valorização desde 24 de junho do ano passado. A moeda norte-americana fechou o dia cotada a R$ 5,326, maior valor em duas semanas.

O mercado financeiro respondeu aos acontecimentos do feriado, após nova e maior ameaça ao Supremo Tribunal Federal (STF), “o que aumenta a crise político-institucional, analisa Yuri Pasini, do Travelex Bank.

Leia também:

Temperatura morna da economia continua abalando a bolsa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rede estadual de ensino retorna a aulas 100% presenciais

No ano passado, as aulas foram remotas por causa da Covid; na rede municipal da capital, retorno sem rodízio de alunos começou no dia 18.

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Últimas Notícias

Rede estadual de ensino retorna a aulas 100% presenciais

No ano passado, as aulas foram remotas por causa da Covid; na rede municipal da capital, retorno sem rodízio de alunos começou no dia 18.

Manguinhos e Ambev lideram dívidas ao Fisco estadual

Estudo da Fenafisco aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.