Bolsas globais abriram com cautela

Brasil terá dados de varejo e commodities continuam a impactar o IGP-DI.

Não obstante o desânimo de Nova Iorque, as principais Bolsas do continente europeu fecharam o dia majoritariamente em alta. Na Alemanha, o mercado foi na contramão, por conta das encomendas à indústria terem tido desempenho aquém do esperado, com perda de 0,2% em abril, ante projeção de +1,0%. As demais Bolsas fecharam em alta, aguardando os demais indicadores da semana. Londres teve alta de 0,12%. Paris ganhou 0,43%. Milão ganhou 0,99%. Madri e Lisboa tiveram alta de 0,83% e 0,04%, respectivamente.

O desânimo do começo de pregão permaneceu ao longo do dia em Nova Iorque, com leve melhora, fazendo com que o S&P 500 ficasse próximo da estabilidade, em -0,08%, e o Nasdaq tivesse alta de 0,49%. O Dow Jones, temendo a alta inflacionária e seguindo a desvalorização das commodities, teve queda de 0,37%.

No Brasil, os investidores sustentaram o seu bom-humor com as perspectivas de crescimento da economia com o calendário das reformas e privatização declarado por Arthur Lira. Pelo lado da conjuntura econômica, as projeções econômicas declaradas no Relatório Focus para o crescimento foram positivas, com mais uma alta para o PIB, em 4,36%. Assim, o Ibovespa teve elevação de 0,50%, a 130.776,27 pontos.

As Bolsas asiáticas fecharam o dia majoritariamente em queda, devido aos receios dos investidores em relação às tensões sino-americanas. O decreto de Joe Biden que proíbe investimento estadunidense em companhias chinesas, apresentado na semana anterior, é mais amplo quando comparado ao do repúblico que o antecedera. Tóquio teve queda de 0,19%. Seul perdeu 0,13%. Hong Kong desacelerou 0,02%. Taiwan teve baixa de 0,05%. Na China Continental, o Xangai Composto teve queda de 0,54% e o Shenzhen teve retração de 0,86%.

Mercados globais começam o dia mistos com inflação, que sairá ainda nesta semana, e repercussão da reunião do G7.

No Brasil, antecedendo o IPCA de amanhã, a FGV publicou o IGP-DI. O indicador superou o mês de abril, atingindo alta de 3,40% em maio. No entanto, o resultado ficou abaixo das projeções de 3,63%. Mais uma vez, o indicador foi influenciado pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), com alta de 4,2%, recebendo impacto da alta nos preços do minério de ferro (+17,03%) e da cana-de-açúcar (+19,30%).  No ano, o indicador sobe 14,13% e, em 12 meses, a alta é de 36,53%.

Ainda sobre os números de atividade econômica, o IBGE publicará as vendas no vero de abril. A expectativa do mercado é de alta de 0,1% ao mês, ante queda de 0,6% em março. Ao ano, espera-se avanço de 19,8%, contra 2,4% em março.

O BC ofertará até 15 mil contratos de swap cambial para rolagem a partir das 11h30.

O Tesouro fará a oferta de BTN-Bs para 2024, 2028 e 2040.

O mercado também ficará atento à reunião anunciada por Arthur Lira em relação à reforma administrativa, à prorrogação do auxílio por dois meses antes do lançamento de um substituto do Bolsa Família e à CPI.

Na Alemanha, a produção industrial de abril registrou queda de 1,0%, segundo a agência Destats, contra projeções de 0,5%. O índice de condições atuais do Instituto ZEW foi de -9,1 pontos, ante projeções de -27,8, e o indicador de percepção econômica saiu de 84,4 pontos para 79,8, contra as projeções de 86.

Na Zona do Euro, foram divulgados números do desemprego do primeiro trimestre de 2021, com queda de 1,8%, ante projeção de retração de 2,1% ao ano. Ao mês, a taxa ficou dentro das expectativas, com queda de 0,3%. A Eurostat também publicou a versão final do PIB trimestral, com queda de 1,3% ao ano e de 0,3% ao mês, superando as prévias de -1,8% e -0,6%, respectivamente.

Nos EUA, serão divulgados dados das contas externas. As projeções são de que a balança comercial atinja déficit de US$ 69 bilhões em abril, contra o déficit de US$ 74,40 bilhões em março. Também será publicada a oferta de empregos JOLTs, com perspectiva de 8,3 mil vagas criadas em abril, ante 8,123 mil em março.

.

Matheus Jaconeli

Economista da Nova Futura Investimentos

Artigos Relacionados

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.

Relatório de inflação foi bem semelhante ao do comunicado do Copom

Selic atingiria nosso nível neutro estimado de 6,50% já em outubro deste ano e se estabilizaria nesse patamar a partir de então.

Estabilidade garante que servidor denuncie irregularidades

Para Fenafisco, reforma administrativa vai destruir estrutura pública e enfraquecer os meios de denúncia dos servidores públicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS e Ministério da Agricultura fazem live para lançar curso gratuito

Live no dia 7 de julho terá a participação de representantes do MAPA e especialistas em agronegócio.

Carta Fabril lança o papel higiênico premium Cotton Folha Tripla

Novidade foi desenvolvida para levar mais maciez com preço justo ao consumidor

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.