Bolsas no positivo

Mercados abrem terça com comportamento positivo por conta de indicadores divulgados na China e declarações de Trump.

Opinião do Analista / 10:40 - 31 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ontem, depois de uma abertura complicada, os mercados passaram o dia no campo positivo, com a Bovespa registrando alta de 1,65% e índice em 74.639 pontos. O Dow Jones ajudou bastante com valorização de 3,19% e o Nasdaq com +3,62%, por conta da boa alta das ações de tecnologia. O dólar por aqui teve alta de 1,53%, com a moeda americana fechando em R$ 5,18.

Hoje mercados começando o dia com comportamento positivo por conta de indicadores divulgados na China e declarações de Donald Trump. As Bolsas asiáticas encerraram em alta (exceto Tóquio com -0,88%), Europa operando em alta, mas já um pouco afastada das máximas e futuros do mercado americano também no campo positivo. Aqui, seguimos marcando a zona de 83 mil pontos do Ibovespa como importante ser ultrapassada, para garantir maior consistência do movimento de recuperação.

Mercados engataram alta por conta da recuperação da China em março mostrada pelo indicador PMI da atividade industrial subindo para 52 pontos (indica expansão da atividade), vindo de 35,7 pontos. Além disso, os chineses estudam corte de impostos para ajudar os exportadores. Já a postura de Trump ajudou os mercados ontem e volta a ajudar hoje. Trump reforçou a necessidade de isolamento social e disse que pode endurecer ainda mais as diretrizes impostas. Nova Iorque tem hoje a metade dos infectados no país.

Nancy Pelosi, presidente da Câmara americana, também planeja novo pacote fiscal, dessa feita voltada para infraestrutura e recuperação da economia. Na Espanha, o PIB do quarto trimestre na comparação anual mostrou expansão de 1,8% e no Reino Unido, na mesma base de comparação expansão de 1,1%. Na Zona do Euro, a inflação medida pelo CPI (consumidor) de fevereiro observou desaceleração para 0,7% na comparação anual e o núcleo com 1%.

O petróleo em boa alta hoje também ajuda os mercados, depois de ter vazado ontem o patamar de US$ 20 para o barril WTI. As ADRs da Petrobras mostram alta de mais de 5%. O petróleo WTI era negociado em alta de 7,27%, com o barril cotado a US$ 21,55. O euro era transacionado em queda para US$ 1,096 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,69%. O ouro mostrava queda e a prata em alta na Comex e commodities agrícolas com viés negativo na Bolsa de Chicago.

Aqui, o presidente da Câmara Rodrigo Maia quer celeridade no encaminhamento dos recursos para pessoas e empresas, depois de o Senado ter aprovado ontem o auxílio emergencial para informais de R$ 600 por três meses. Já o Bacen corre para anunciar crédito para o microempresário pelas maquininhas. A FGV divulgou a confiança empresarial em queda de 6,5 pontos em março para 89,5 pontos, a maior queda desde setembro de 2017.

No mercado a perspectiva é de Bovespa novamente em alta, dólar ainda pressionado e juros em queda. Lembramos que deve haver disputa pelo encerramento da PTAX do mês de março e os dados que serão anunciados não têm grande capacidade de influir na tendência do dia.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor