Toffoli rejeita ação de Bolsonaro contra Moraes

Popularidade do governo apresentou variações ao longo da semana passada, havendo um aumento médio da avaliação negativa de 0,3%.

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou o pedido de investigação contra o ministro Alexandre de Moraes feito pelo presidente Jair Bolsonaro. “Considerando que os fatos narrados na inicial evidentemente não constituem crime e que não há justa causa para o prosseguimento do feito, nego seguimento”, esclarece Toffoli na decisão, de acordo com o portal G1.

O presidente Jair Bolsonaro entrara ontem com ação contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na própria Corte, alegando abuso de autoridade do magistrado. A peça inicial é assinada por advogado privado e não pela Advocacia-Geral da União (AGU), órgão que representa os interesses da administração pública federal junto ao Supremo.

O texto argumentava que Moraes descumpre a Constituição ao estender indefinidamente e de forma “injustificada” o chamado Inquérito das Fake News, do qual o ministro é relator e Bolsonaro figura como um dos investigados.

Também eram questionadas as condutas de Moraes no inquérito sobre atos antidemocráticos ocorridos em Brasília e em outro, que apura a existência de milícias digitais. Um dos argumentos é que as defesas dos investigados não têm acesso a cópia integral dos autos dos processos. A notícia-crime assinada pelo advogado Eduardo Magalhães corre sob sigilo no Supremo e foi distribuída ao gabinete do ministro Dias Toffoli.

Em nota conjunta assinada por seus presidentes, CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB e Nova Central Sindical de Trabalhadores manifestaram “total apoio e solidariedade” ao ministro Alexandre de Moraes. “Repudiamos de forma veemente os ataques constantes, implacáveis e infundados que o atual governo federal tem lançado contra o ministro, que, por sua vez, está exercendo papel fundamental na construção e no exercício da democracia brasileira. A mais recente das muitas ofensivas descabidas que o presidente Bolsonaro apresenta contra o Poder Judiciário é a ação que alega abuso de autoridade do ministro Alexandre de Moraes. Para justificar seus ataques, o presidente alegou que está em curso uma “injustificada investigação no inquérito das fake news, quer pelo seu exagerado prazo quer pela ausência de fato ilícito”, diz o texto.

Segue lembrando que “com isso Bolsonaro mostra que sua ação não visa ao bem do país, mas sim se blindar contra investigações em que ele e sua campanha aparecem envolvidos. Além disso, esse é uma estratégia já conhecida deste desgoverno: criar fatos para esconder os grandes problemas que assolam o povo brasileiro e que a atual gestão não apenas não tem envergadura para resolver, como aprofunda de forma alarmante. Basta ver a crescente inflação, custo de vida e a persistente alta taxa de desemprego. Esses ataques têm também nítida intenção de fragilizar as instituições judiciárias, como forma enfraquecer a democracia e colocar em dúvida o processo eleitoral brasileiro.”

Depois de um período de melhora constante e consistente nos índices de aprovação da gestão federal, iniciado em janeiro, a popularidade do governo Bolsonaro apresentou variações ao longo da semana passada, demonstrando o fim da estabilidade. Houve um aumento médio da avaliação negativa de 0,3%. A avaliação positiva também subiu, mas em uma proporção menor, de 0,1%. A avaliação regular caiu 0,2%. O levantamento é da Modalmais/AP Exata. Segundo o estudo, na última sexta-feira, 49,8% das pessoas consideravam o governo como ruim/péssimo; 29,8% avaliavam como bom/ótimo; e 20,4%, como regular.

O principal motivo para o aumento da rejeição foram os preços dos combustíveis, com críticas impulsionadas por mais um aumento do diesel. O tema foi o mais citado nos últimos dias nos posts que mencionam Bolsonaro, abarcando quase 30% das publicações, dentro dos temas analisados, que incluem: inflação, saúde e Covid, emprego, educação, segurança, transporte, costumes, corrupção, STF, meio ambiente, e combustíveis. Junto com a questão da alta do diesel, surgiram muitas queixas também sobre os preços dos alimentos e a militância da oposição atuou fortemente para culpabilizar a gestão Bolsonaro pelos aumentos.

Opositores também seguem preocupados com o que pode resultar da queda de braço entre Forças Armadas e a Justiça Eleitoral. Eles classificam o discurso do presidente e das Forças Armadas como golpista e aplaudiram o ministro do STF, Edson Fachin, que disse que a eleição será conduzida pelas “forças desarmadas”. Governistas replicam a narrativa presidencial, de que as urnas eletrônicas são inseguras. Eles acreditam que a derrota de Bolsonaro nas eleições só poderia ser explicada por fraude, e acusam o TSE de querer proporcionar o regresso da esquerda ao poder por meios ilegais.

Matéria atualizada às 14h13 para inclusão da informação de que o prosseguimento do pedido foi negado.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Simone Tebet chama momento do Brasil de ‘desalentador’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico