Bolsonaro confirma recriação do Ministério do Trabalho

Senador Ciro Nogueira assumirá comando da Casa Civil; reforma ministerial que deve acontecer na semana que vem.

O presidente Jair Bolsonaro confirmou hoje que o senador Ciro Nogueira (PP-PI) vai assumir a Casa Civil da Presidência República, em uma reforma ministerial que deve acontecer na semana que vem. “Está praticamente certo. Vamos botar um senador aqui na Casa Civil que pode manter um diálogo melhor com o Parlamento brasileiro”, disse Bolsonaro em entrevista à Rádio Banda B, de Curitiba, nesta manhã.

“A princípio é ele, conversei com ele já, ele aceitou. Ele está em recesso, chega em Brasília segunda-feira, converso com ele, acertamos os ponteiros. E a gente toca o barco. É uma pessoa que eu conheço há muito tempo, ele chegou em 95 na Câmara, eu cheguei em 91”, explicou.

Bolsonaro também confirmou a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência, que, no início do governo, foi agrupado com outros quatro ministérios para a criação do Ministério da Economia, sob o comando do ministro Paulo Guedes. O atual ministro da Secretaria Geral, Onyx Lorenzoni, será o titular deste novo ministério e o atual chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, assumirá seu lugar na Secretaria Geral.

“Ele mesmo, Paulo Guedes, concordou com tirá-lo dessa parte para passar para esse novo ministério. Dá uma descompressão no Paulo Guedes e deixa o Onyx para tratar dessa questão importantíssima”, disse o presidente.

De acordo com Bolsonaro, o número de ministérios será restabelecido para o total de 23. Em fevereiro deste ano, com a aprovação da autonomia do Banco Central, o órgão perdeu status de ministério e se transformou em autarquia federal.

Agora, a pasta de Trabalho e Previdência completará a lista.

“Não vai pesar em nada as finanças. Não vamos criar cargos, é apenas uma mudança de secretarias do Ministério da Economia para esse novo ministério”, explicou.

Paulo Guedes disse que indicações de políticos para ocuparem cargos de ministros como o do Trabalho ou da Casa Civil são “acomodações políticas inteiramente normais”, e que, no caso específico de Onyx e Ciro Nogueira, decorre da “necessidade de melhorar o arco de alianças e entendimento no Senado”.

“Para nós, sempre foi importante conseguir a sustentação política para fazer as reformas que estavam andando na Câmara e foram bloqueadas por um problema do Senado. A democracia é isso. Quando tem pressão política, o presidente faz movimento político. Toda reforma ministerial é feita com conteúdo político, mas isso não vai mudar a orientação da política econômica”, disse.

“O que aconteceu desta vez foi que há necessidade de melhorar o arco de alianças e entendimento no Senado”, acrescentou Guedes, ao comentar o convite feito a Nogueira que, segundo o ministro, “é um profissional de política”. A entrada do senador na Casa Civil, que tradicionalmente foi um cargo ocupado por políticos, “é um movimento político natural”, disse o ministro.

Para Guedes, a melhor interpretação para o que está acontecendo é que “o presidente não cedeu o coração da política econômica, por pressão política, a outros partidos”. Além disso, as indicações são de pessoas alinhadas com as políticas liberais adotadas pelo governo, acrescentou. “Está havendo uma reorganização interna, sem nenhuma ameaça ao coração da política econômica”, disse o ministro, ao negar que o movimento possa ser mal interpretado pelo mercado.

“Às vezes, o governo é criticado porque não tem interlocução política, e por isso estaria isolado. Aí, quando o governo coloca um político lá, dizem que o governo foi capturado. Precisamos de leituras mais construtivas e sofisticadas”, completou.

Em março deste ano, o presidente já havia promovido uma reforma ministerial, com trocas em seis ministérios: Casa Civil e Secretaria de Governo, ambas ligadas à Presidência da República, ministérios da Justiça e Segurança Pública, das Relações Exteriores e da Defesa e também da Advocacia-Geral da União (AGU).

 

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Parlamentares entram com ação contra aumento do fundo eleitoral

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Pobres sentem cada vez mais o teto de gastos e reformas

Teto coloca em risco coloca em risco o Plano Nacional de Educação.

Carros zero fecham trimestre com mais de 5% de alta nos preços

Variação se refere ao modelo 2022, que já acumula 13% de aumento no ano.

Roubo de caminhões e carretas cresceu 4,65% no semestre

Roubo de cargas teve alta de 7,61%; Cubatão, Cajamar, Itaquaquecetuba, Osasco e São Bernardo do Campo subiram no ranking.

Últimas Notícias

Benext lança primeiro serviço de voice commerce no Brasil

Desenvolvida pela startup para Colgate-Palmolive, a loja é integrada com a Amazon e o cliente faz toda a compra por comando de voz.

‘Imortal: Arte, Alma e Futuro’ nesta 5ª feira

Autora do monumento em homenagem a Ayrton Senna expõe 45 peças inéditas no Centro Cultural Correios RJ.

Exposição ‘Enredados’ no Centro Cultural Correios RJ

São seis esculturas e seis pinturas, com 2 metros de altura, abstratas e com metal naval.

Protestos contra a venda da Reman

O Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), filiado à Federação Única dos Petroleiros (FUP), entrou com ação na Justiça contra a venda da Refinaria...

Vale e empresa chinesa buscam descarbonização para a siderurgia

A Vale assinou um Memorando de Entendimento ("Memorandum of Understanding”, ou “MoU”, em inglês) com a chinesa Jiangsu Shagang Group Co., Ltd em que...