Bolsonaro é aprovado por 45% e desaprovado por 45%

Aumento na aprovação coincide com o período em que Bolsonaro passou a evitar falar com a imprensa ou fazer ataques a adversários.

Política / 14:43 - 6 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa PoderData sobre a aprovação do governo Bolsonaro mostra que a atual administração federal tem 45% de aprovação e 45% de desaprovação. A avaliação positiva do governo ficou 2 pontos percentuais acima da verificada na última pesquisa, realizada há 15 dias, de 20 a 22 de julho, quando era de 43%. A variação está no limite da margem de erro (2 pontos percentuais).

Há dois meses, a administração federal era rejeitada por 50% e aprovada por 41%. A diferença era de 9 pontos. Agora há empate, com 45% de cada lado.

O aumento coincide com o período em que Bolsonaro passou a evitar falar com a imprensa ou fazer ataques a adversários.

Os dados foram coletados de 3 a 5 de agosto, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 512 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Considerando a avaliação estratificada da avaliação do governo Bolsonaro, o levantamento mostra que os homens passaram a aprovar mais o Executivo. Há duas semanas, 49% avaliavam bem. Agora, são 58%. Na Região Sul, a percepção positiva passou de 46% para 55% no período. Os dados apontam ainda que caiu o percentual de jovens (pessoas de 16 a 24 anos) que rejeitam a administração federal. Há 15 dias, eram 46%. Agora são 39%. O mesmo ocorreu com quem mora no Sudeste. No período, a desaprovação na região caiu de 51% para 43%. Já no Centro-Oeste, subiu de 30% para 45%.

O PoderData também perguntou o que os entrevistados acham do trabalho de Bolsonaro como presidente: ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. A avaliação positiva do desempenho pessoal de Bolsonaro teve variação positiva dentro da margem de erro. Há duas semanas, era de 30%. Passou para 32%.

A atuação do chefe do Executivo é rejeitada por 41%. Há 15 dias, o grupo totalizava 43%. Há 45 dias, esse grupo abrigava 48% dos entrevistados. Os dados mostram que há trajetória de queda no indicador. A proporção dos que consideram o desempenho do presidente regular foi de 23% para 25%.

Bolsonaro manteve em 34% a avaliação positiva entre os mais pobres (desempregados e sem renda fixa). Aqueles que recebem de 5 a 10 salários mínimos passaram a avaliar melhor o trabalho do presidente. Há 30 dias, 22% avaliavam como "ótimo" ou "bom". Agora, 37% desse grupo tem essa percepção. Os que rejeitavam correspondiam a 58%. Agora são 40%.

 

Fonte: Poder 360

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor