Bolsonaro é o que mais edita MPs, mas o que menos aprova

Em média, o presidente Jair Bolsonaro é o que mais edita medidas provisórias (MPs) por ano, em comparação com os quatro governos anteriores. Por outro lado, a taxa de transformação dessas medidas em leis está abaixo dos 50%.

Nos dois primeiros anos, o Governo Bolsonaro tem uma média de 70 MPs editadas por ano. Mas das 140 medidas provisórias editadas até novembro de 2020, apenas 56 foram convertidas em lei até o momento, ou seja, uma taxa de conversão de 47%; 21 ainda estão em análise pelo Congresso; 1 foi rejeitada; 2 foram revogadas; e 59 perderam a validade.

No primeiro Governo Lula, a média foi de 60 MPs por ano, sendo 90% convertidas em lei. No segundo, 45 MPs por ano, 83% convertidas. No primeiro Governo Dilma, a média foi de 36 MPs por ano, com 74,5% delas convertidas em lei. Entre 2015 e 2018, nos governos Dilma e depois Temer, a média foi de 51 medidas provisórias por ano, e 63% se transformaram em lei. O levantamento feito pela Agência Câmara não separou os períodos de Dilma antes do impeachment e de Temer.

Para o líder da oposição, deputado José Guimarães (PT-CE), o governo não se esforça para aprovar as próprias medidas que edita, e o Congresso também não tem feito sua parte. “Quem tem maioria no Congresso é o governo, é a base do governo com o Centrão. A não votação de medidas provisórias, a exemplo da medida provisória do auxílio emergencial, é uma estratégia do governo: 59 perderam a validade. Isso é uma excrescência, uma deformação daquilo que tem que ser a relação do Executivo com o Poder Legislativo”, avalia Guimarães. “Em segundo lugar, o Congresso não faz por onde, não se faz respeitar, não vota.”

O líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), por outro lado, argumenta que, como a maioria das medidas que perderam a validade tratava da liberação de créditos, uma vez que os recursos são destinados, elas ficam sem função e não precisam virar lei.

Artigos Relacionados

Apenas 15% das indústrias adotaram trabalho intermitente

Dieese alerta que precarização reduz consumo.

Desabastecimento do ‘kit intubação’ é gravíssimo

Segundo federação de Santas Casas, estoques de anestésicos, sedativos e relaxantes musculares têm, em média, três dias de duração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Rádios FM poderão antecipar aumento de potência e área de cobertura

Antes, emissoras só podiam solicitar mudança a cada dois anos e de forma gradual.

Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

Propostas da Consulta pública são os primeiros passos para colocar em prática o sistema de transferências instantâneas com o exterior.

Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril

Segundo o Procon-SP, a taxa média de empréstimo pessoal foi de 6,1% ao mês.

Mercados com poucas oscilações

PEC fura-teto preocupa.

Por preços de combustíveis, IPCA deve desacelerar

Por outro lado, os preços dos serviços devem continuar em patamares baixos, influenciados pelas medidas de restrição e pelas fracas condições do mercado de trabalho.