Bolsonaro precisa recompor imagem junto a Biden

Depois de Jair Bolsonaro ter apoiado a equivocada tese de Donald Trump sobre fraudes nas eleições dos EUA e ante posições políticas conflitantes do governo brasileiro, este terá de fazer grande esforço para recompor sua imagem perante o novo presidente norte-americano, Joe Biden. Análise é do professor Márcio Coimbra, coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, cientista político e mestre em Ação Política pela Universidad Rey Juan Carlos (Espanha).

O especialista lembra que, no início de seu mandato, Bolsonaro anunciou que o Brasil passaria a ter uma relação mais próxima com os EUA, retomando uma relação tradicional de parceria. Mostrou, porém, ter muito mais afinidade com o populismo de Trump do que com os EUA como nação. “Isso foi sentido em Washington, onde existe o receio de que o Brasil se afaste dos EUA e procure países mais afinados com os valores trumpistas. Da mesma forma, este governo que chega não enxerga Bolsonaro com simpatia”, frisa Coimbra.

Para recompor sua imagem e não ficar atrás, nas relações bilaterais com os norte-americanos de países como Chile e Colômbia, que sempre mantiveram diplomacia ativa com Washington independentemente do partido que ocupasse a Casa Branca, o governo brasileiro precisará ajustar uma série de posturas, atualmente conflitantes com a plataforma de Joe Biden, a começar pela pauta ambiental. “O tema entra na pauta norte-americana de maneira determinante. Certamente, para avançar nesta frente, Washington pedirá demonstrações claras de cooperação de Brasília, um movimento que colide com a posição de confronto com as políticas de preservação ambiental adotadas pelo governo brasileiro”, pondera o professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Biden retornará com força para a política internacional multilateral, reintroduzindo os americanos em uma agenda global de concertação. “Podemos esperar o retorno ao Acordo de Paris e maior participação em organismos desprezados por Trump, como Unesco e OMS. Uma agenda que também colide com a posição adotada por Bolsonaro, que inseriu a luta contra o globalismo dessas instituições como seu foco de enfrentamento”, ressalta Coimbra, concluindo: “Os desafios para o Brasil serão enormes, não apenas pela mudança política adotada pelos norte-americanos, mas pelos próprios erros de cálculo político do Palácio do Planalto. Uma conta que pode sair muito cara para os brasileiros”.

Ontem, o novo presidente anunciou o retorno do seu país ao Acordo de Paris. Biden prometeu colocar os EUA no caminho do saldo zero em emissões de gases de efeito estufa até 2050. Biden e a vice-presidente Kamala Harris tomaram posse na tarde de hoje. Joe Biden também revogou uma licença que era essencial para o projeto de oleoduto Keustone XL e uma moratória a atividades de exploração de óleo e gás no Refúgio Nacional da Vida Selvagem no Ártico.

O presidente também assinou pelo menos seis decretos relacionados à imigração. Entre os decretos, está a suspensão imediata da proibição da entrada nos EUA de pessoas oriundas de diversos países, principalmente muçulmanos ou africanos, interromper a construção de um muro na fronteira com o México e reverter uma ordem do ex-presidente Donald Trump que impedia que imigrantes ilegais fossem contados na próxima redefinição dos distritos eleitorais para o Congresso dos EUA.

Biden ainda assinou um memorando direcionando o Departamento de Segurança Nacional e o procurador-geral dos EUA a preservar o programa Daca, que protege de deportação imigrantes que chegaram ao país como crianças, e para reverter a ordem executiva de Trump que pede fiscalização interna mais rígida à imigração.

O presidente também enviou ao Congresso um Projeto de Lei de imigração que abre caminho para a cidadania de imigrantes que vivem ilegalmente no país.

“Celebramos o triunfo da democracia” foi uma das aberturas do discurso de posse. Biden também disse que “neste dia de janeiro minha alma inteira está dedicada a unir nossa nação”.

Segundo Alvaro Bandeira, sócio e economista-chefe do Banco Digital Modalmais, “Biden gastou boa parte de seu tempo pregando a união de seu povo, e com isso deixou porta aberta para os republicanos, que terão que descalçar a bota de Donald Trump que voou para a Flórida, antes da posse. Trump, segundo relato, cumpriu uma única formalidade histórica deixando um bilhete para Biden. Vários presidentes e primeiros-ministros cumprimentaram Biden pela posse e Boris Johnson, do Reino Unido, parabenizou e se disse ansioso para trabalhar com ele. Aqui, no final da tarde, Bolsonaro cumprimentou pela posse e ressaltou as relações longas com os EUA. Disse ter encaminhado correspondência para Biden. O presidente do Conselho Europeu defendeu o acordo com o Mercosul, mas alertou para o risco ambiental. Aliás, Biden também citou a preservação do meio ambiente.”

Ainda segundo Bandeira, “aqui, como já está se tornando rotina, Bolsonaro corrigiu sua declaração sobre as Forças Armadas que ‘determinam se o povo vai viver numa democracia ou ditadura’, dizendo que ‘os militares seguem o norte indicado pela população’.

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Reuters

Leia mais:

Excelente futuro na parceria Brasil/EUA?

Fala de Bolsonaro sobre EUA é criminosa

Artigos Relacionados

Petrobras fecha 2020 com lucro de R$ 7,1 bilhões

Lucro líquido no quarto trimestre de 2020 foi de R$ 59,9 bilhões.

Países ricos se recuperam mais rapidamente, pobres ficam para trás

Lacuna aumenta; vacinação global geraria US$ 9 trilhões até 2025, inclusive para os países desenvolvidos.

Isolamento social mais severo não piorou economia de municípios de SP

Abertura aumentou contágio, mas não trouxe ganhos econômicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.