Bolsonaro tenta se blindar com troca de generais e ministra do Centrão

O presidente Jair Bolsonaro efetuou uma reforma ministerial, com trocas em seis ministérios nesta segunda-feira. As mudanças ocorrem após pressões do Centrão por mais poder e diante da condição insustentável em que ficou o agora ex-chanceler Ernesto Araújo.

Uma aliada do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), vai para a estratégica Secretaria de Governo. A deputada federal Flávia Arruda (PL-DF) é esposa do ex-governador do DF José Roberto Arruda, preso por corrupção há alguns anos.

Declarações atribuídas o general Fernando Azevedo e Silva, que deixou o cargo de ministro da Defesa supostamente a pedido de Bolsonaro, deixam no ar outras intenções do presidente. Segundo a colunista Malu Gaspar, de O Globo, o general teria dito a interlocutores que não queria repetir o que viveu em maio de 2020.

Na ocasião, bolsonaristas fizeram manifestações defendendo golpe de estado. Azevedo e Silva sobrevoou de helicóptero um dos protestos, ao lado do presidente.

Em nota distribuída ao final do dia, uma frase do general se destaca. Após agradecer poder ter servido como ministro da Defesa, Azevedo falou: “Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.”

As mudanças não significam seis novos ministros. Em algumas pastas, houve uma troca de cadeiras. Confira:

– Na Casa Civil da Presidência da República, entra o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, que ocupava a Secretaria de Governo, no lugar do general Walter Souza Braga Netto, que foi para a Defesa.

– No Ministério da Justiça e Segurança Púbica, entra o delegado da Polícia Federal Anderson Gustavo Torres; André Mendonça retorna para a CGU.

– No Ministério da Defesa, Braga Netto substitui o general Fernando Azevedo e Silva.

– No Ministério das Relações Exteriores, entra o assessor especial da Presidência embaixador Carlos Alberto Franco França e sai Ernesto Araújo.

– Na Secretaria de Governo, a deputada federal Flávia Arruda substitui Ramos Baptista.

– Na Advocacia-Geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça substitui José Levi.

Leia mais:

Teto de Gastos torna orçamento peça de ficção

Preços de frete subiram em até 25% em um ano

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Brasil voltará a discutir política ambiental com ministro suspeito?

No momento em que o governo retrocede ao aceitar a convocação do presidente dos EUA para que o Brasil volte a discutir questões climáticas,...

1 em 3 trabalhadores recorre a aplicativos para conseguir renda

Durante a pandemia, número aumentou em 11,4 milhões.

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.