Bolsonaros buscam sua Operação Uruguai?

Os dias passam e a família não explica o dinehiro na conta do assessor

Para justificar renda e padrão de vida muito superiores aos seus ganhos como presidente e escapar do impeachment, Fernando Collor e equipe montaram, em 1992, o que veio a ser conhecido como Operação Uruguai. O secretário particular de Collor, Claudio Vieira, alegou que obteve um empréstimo de US$ 3,75 milhões no Uruguai para a campanha eleitoral. Tentavam assim alegar que as despesas do então presidente não eram custeadas por PC Farias, empresário e chefe da campanha que levou Collor à Presidência, em 1989/1990.

A Operação foi revelada após o governo sangrar por quase um ano. A estratégia não “colou”, e Collor foi afastado em setembro de 1992. Para escapar do impeachment, renunciou em dezembro daquele ano. Conseguiu, porém, ser inocentado da acusação de crime comum, decisão tomada pelo STF em dezembro de 1994.

Desde o dia 6 passado, os Bolsonaro estão devendo uma explicação convincente para o R$ 1,2 milhão que passou, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, pela conta do amigo, até outubro assessor, segurança e motorista de Flávio Bolsonaro, o PM Fabrício Queiroz. Para os RS 24 mil que o policial depositou na conta da mulher do presidente eleito, Michelle, declarações lacônicas.

Tendo ocorrido há tão pouco tempo, não seria difícil a esposa de Bolsonaro exibir os extratos com os depósitos, assim como o presidente eleito poderia apresentar alguma prova “robusta”, como diz gostar Sérgio Moro, de que emprestou R$ 40 mil ao PM. A grana teria sido paga pelo amigo – que ganhava mais de R$ 21 mil mensais – em dez suaves prestações. Quanto mais o tempo passa, mais aumentam o sangramento e a suspeita de que algo está sendo combinado como justificativa.

PC Farias, o empresário de Collor, fugiu do país em julho de 1993, mas acabou extraditado em dezembro. Foi condenado a sete anos de prisão por falsidade ideológica. Cumpriu pouco mais de um ano e meio. Foi assassinado em junho de 1996. A justiça não condenou ninguém pelo crime.

 

Homer Moro

Depois de um fim de semana marcado por um silêncio ensurdecedor, Sérgio Moro falou sobre o escândalo que abala os Bolsonaro. “Até que vi que tem pessoas cobrando uma posição, mas são as pessoas que têm que prestar esclarecimentos. O presidente já prestou os dele”.

 

Filosofia

Homer Simpson, o do desenho animado, transmitiu ao filho, Bart, seu pensamento: “Não fui eu!” e “Quando cheguei já estava assim!”

 

Contramão

A hotelaria do Rio de Janeiro está no buraco desde as Olimpíadas, mas a rede francesa B&B Hotels demonstra confiança na cidade e na retomada do mercado local. O grupo adquiriu um prédio com 120 apartamentos, próximo ao aeroporto Santos Dumont. Investirá R$ 26 milhões e planeja começar a operação no segundo semestre do ano que vem.

Há uma unidade em construção em São Paulo e outra em Minas Gerais, que serão abertas em breve. A rede francesa de hotéis econômicos já opera em São José dos Campos (SP).

 

Rápidas

O cenário político-econômico brasileiro será debatido nesta quinta-feira, das 8h30 às 12h, no auditório FGV 9 de julho. Detalhes: http://portalibre.fgv.br *** A Ortobom doou 44 conjuntos de base + colchão + travesseiro para o Centro de Excelência Pelé Academia de Futebol, que será inaugurado esta semana em Resende (RJ) *** Esporte, lazer e saúde compõem o evento Bem-Estar, que o Caxias Shopping e o Sesi realizarão neste sábado, das 10h às 18h *** O coro da Igreja Presbiteriana de Honório Gurgel se apresenta neste sábado, às 19h30, no Shopping Jardim Guadalupe, com canções natalinas *** Os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos são o tema do II Colóquio da Comissão de Direito Constitucional do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), nesta terça-feira, das 14h às 18h, no plenário do IAB, no Centro do Rio. Inscrições no site www.iabnacional.org.br/eventos *** Com 59 vagas, a seleção para Programas de Residências Médica, Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde da Faculdade de Medicina de Petrópolis tem inscrição até sexta-feira *** Neste domingo, a partir das 17h, o West Shopping recebe o coral da Paróquia Sant’Ana *** As centrais sindicais farão um protesto contra a extinção do Ministério do Trabalho nesta terça-feira, às 10h, em frente a sede da Superintendência do Trabalho (Rua Martins Fontes, 109, São Paulo/SP).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lei do Superendividamento favorece negociação e cobrança humanizada

Início das multas no contexto da LGPD também deve frear a oferta de crédito a quem não pode pagar.

Mercado de fertilizantes especiais cresce 41,8% em 2020

Neste ano, a expectativa é de que o setor obtenha uma nova elevação de 24%.

Consumo nos setores de turismo e diversão cresce em junho no Rio

O consumo das classes C e D no Brasil recuou 5% em junho, depois de ter subido 8% em maio, de acordo com a...

População de países emergentes fica ainda mais pobre

Perda de renda foi 2x maior que nas nações ricas.

Pagamento indevidos: TCU encontra 11% de inconsistências no INSS

‘Falhas afetam a confiabilidade do banco de dados’ de benefícios previdenciários.