BP admite redução de 80% no consumo de petróleo até 2050

A BP já reconhece que vai acabar a tendência de aumento no consumo de petróleo, tornando-se a primeira das grandes petrolíferas mundiais a decretar o fim de uma era que muitos acreditavam que iria durar pelo menos mais uma década. O consumo de petróleo nunca mais deverá regressar aos níveis que se verificavam antes da pandemia, refere um estudo publicado pela BP onde a petrolífera traça a evolução da indústria até 2050, estabelecendo três cenários.

No menos drástico, apelidado de “business as usual”, a companhia estima uma redução ligeira no consumo mundial, estabilizando em torno de 100 milhões de barris por dia ao longo dos próximos anos. Desta forma, assume que o pico do consumo da matéria-prima já aconteceu no ano passado.

No Energy Outlook, publicado esta segunda-feira, a empresa inglesa revela que no segundo cenário haverá de quebra de 50% no consumo até 2050, sendo que no mais drástico, a redução poderá ser de cerca de 80% nos próximos 30 anos. “A procura de petróleo vai baixar aos longo dos próximos 30 anos”, escreve a BP no relatório, onde assinala que “a escala e o ritmo de descida vai depender do aumento da eficiência e eletrificação do transporte terrestre”. Na publicação do ano passado, a BP assumiu um cenário de aumento da procura para 130 milhões de barris por dia.

Além dos efeitos imediatos da pandemia, a BP assume esta evolução para o mercado petrolífero devido às mudanças de hábitos dos consumidores e alterações de políticas por parte dos governos.

Com a transição energética a afastar o mundo dos combustíveis fósseis, a BP quer estar na linha da frente das mudanças no setor, reduzindo a dependência do petróleo. O novo CEO reduziu a meta de produção de petróleo e gás em 40% para os próximos 10 anos e pretende investir US$ 5 bilhões por ano nos ativos renováveis. A visão da companhia contrasta com a de outras petrolíferas, governos e países produtores, que acreditam que a supremacia do petróleo vai persistir por muito mais anos, pois esta é ainda a única matéria-prima capaz de satisfazer a crescente procura num contexto de crescimento da população mundial e classe média. Porém, a britânica não é a única gigante do setor a alterar de forma profunda o seu modelo de negócio. Numa altura em que as alterações climáticas continuam no centro da agenda mundial, empresas como a Royal Dutch Shell, Total e outras companhias na Europa estão a apostar em ativos cada vez mais “limpos”.

 

Vacinas motivam investidores

As principais bolsas norte-americanas começaram a semana a transacionar em terreno positivo, por causa das noticiais favoráveis quanto ao desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus e fusões empresariais animamm o sentimento em Wall Street. O índice industrial abriu a sessão desta segunda-feira, 14 de 7.867,43 pontos, tal como o Nasdaq Composite a somar 1,44% para 11.010,273 pontos, e o Standard & Poor's 500 a apreciar 1,07% para 3.376,66 pontos. No sábado, a AstraZeneca anunciou o retomar de testes clínicos, no Reino Unido, para a vacina experimental contra o novo coronavírus. Entretanto, foi o CEO da Pfizer defender como “provável” que ainda antes do final deste ano seja possível contar com uma vacina disponível no mercado norte-americano. Tal como sucedeu na Ásia, as principais praças norte-americanas interrompem assim um ciclo de perdas que levou à primeira série de perdas semanais acumuladas consecutivas desde março, já que na passada sexta-feira foram concluídas duas semanas seguidas com as bolsas no vermelho. Também a alimentar o otimismo dos investidores nesta primeira sessão semanal está um conjunto de fusões empresariais em perspetiva. A Oracle está cada vez mais próxima de fechar a compra da unidade norte-americana da TikTok, a Nvidia poderá pagar US$ 40 bilhões pela divisão de chips do SoftBank e a Gilead Sciences vai adquirir a Immunomedics por cerca de US$ 21 bilhões.

Os investidores em Wall Street estão também na expetativa pela próxima reunião da Reserva Federal, aguardando eventuais pistas sobre o rumo da política monetária da maior economia mundial no encontro que será realizado esta semana.

 

Totvs prorroga prazo de proposta

A Totvs prorrogou por 30 dias a validade da proposta de combinação de negócios com a Linx. Com isso, a proposta fica válida até 13 de outubro de 2020. A empresa também confirmou aos assessores dos conselheiros independentes da Linx estar de acordo com a correção pro rata da parcela em moeda corrente nacional a ser paga por ação, no valor de R$ 6,20, com base na variação do CDI, a partir do 6º mês contado da poposta apresentada pela Totvs.

 

PDG alterar plano

A PDG propôs uma alteração ao seu plano de recuperação judicial, com o objetivo do aditamento é readequar o pagamento dos credores trabalhistas à perspectiva econômico-financeira da companhia. A PDG alega que houve um aumento “significativo” nas solicitações de habilitação de credores trabalhistas nos últimos meses. Por isso, o pagamento nos termos previstos causaria um desequilíbrio no fluxo de caixa. A ajuste do plano de recuperação judicial será avaliado pela assembleia geral de credores, que ainda não foi convocada.

 

Ser quer a Laureate e Yduqs quer atrapalhar

Por causa da oferta para a compra dos ativos da Laureate no Brasil, as ações da Ser chegaram a subir 14%, Só porque revelou que pretende melar o negócio, oferecendo um pouco mais, os papéis da Yduqs registraram ganhos de 7%. Onde é que tem alguma coisa errada?

Artigos Relacionados

Nelson Priori (1942–2020)

Vida profissional marcada pelo jornalismo e pela luta em defesa do mercado de capitais.

Problema na Bolsa de Tóquio; sorte é que foi no feriado

Falha em hardware paralisou distribuição de informações ao mercado.

IRB é do 8% ou do 80%

Emissão de R$ 900 milhões em debêntures alavanca ações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Omissão em documento laboral deve ser resolvida na Justiça do Trabalho

Decisão afasta ações contra o INSS por possíveis erros cometidos pelas empresas.

Biden retoma restrições a viajantes que chegam do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.