Bradesco tem nota de longo prazo à para emissão de notas

Objetivo do banco é financiar projetos sociais ou sustentáveis

A Fitch Ratings atribuiu o rating de Longo Prazo ‘BB (EXP)’ à proposta de emissão de notas seniores sem garantias de ativos reais do Banco Bradesco S.A, a ser realizada por meio de sua agência nas Ilhas Cayman, conforme divulgado nesta terça-feira em relatório de classificação de risco de crédito.

O montante final e o vencimento da emissão serão determinados em processo de bookbuilding (processo de formação de preços dos ativos do mercado.). Segundo a agência, os recursos obtidos com a emissão deverão ser utilizados para financiamento e/ou refinanciamento de projetos sociais e sustentáveis existentes e futuros.

O relatório destacou que a atribuição do rating final depende do recebimento de documentos definitivos, em conformidade com as informações já recebidas pela Fitch. Só para ilustrar a saúde financeira do Bradesco, nos resultados do terceiro trimestre, divulgados em novembro, o banco reportou lucro líquido recorrente de R$ 6,8 bilhões, um crescimento de 7,1% quando comparado ao segundo trimestre de 2021 e um avanço de 34,5% com relação ao mesmo trimestre de 2020.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) atingiu 18,3%, uma alta de 5,4 pontos percentuais em relação ao resultado do terceiro trimestre de 2020 e em linha com o segundo trimestre de 2021.

A carteira de crédito expandida do banco cresceu para R$ 773,3 bilhões, alta de 16,4% na comparação anual. O bom resultado, em linha com o visto pelos outros bancos, foi impulsionado pelo crescimento de 58% na carteira de pessoas físicas no mesmo período.

A margem financeira ficou em linha com o apresentado no segundo trimestre de 2021, na casa dos R$ 15,7 bilhões. Na comparação anual, houve um crescimento de 2,7% devido a uma boa performance de margem com clientes.

Já as provisões para devedores duvidosos expandida (PDD), maior motivo para forte queda no lucro dos bancos em 2020, atingiu R$ 3,4 bilhões, representando uma queda de 3,7% em relação ao último trimestre e uma queda de 40% em relação ao terceiro trimestre de 2020. A inadimplência acima de 90 dias se manteve estável quando comparado com o segundo trimestre de 2021, chegando a 2,6%.

O rating atribuído à proposta de emissão corresponde ao IDR (Issuer Default Rating – Rating de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moeda Estrangeira do Bradesco (‘BB’/Perspectiva Negativa), uma vez que a probabilidade de inadimplência dessas obrigações seniores é a mesma do emissor e é igual à de sua outra dívida sênior sem garantias reais.

Os IDRs do Bradesco são movidos por seu Rating de Viabilidade (RV). O IDR de Longo prazo está um grau acima do rating do Brasil (‘BB–’/Perspectiva Negativa). A Perspectiva Negativa dos IDRs reflete a do rating do Brasil.

O RV do Bradesco é altamente influenciado por sua forte franquia e pelo diversificado modelo de negócios. O RV reflete o consistente desempenho do banco ao longo dos ciclos econômicos e em tempos de crise, a gestão de risco conservadora, a diversificação da captação e das bases de receita, a forte liquidez, a adequada qualidade de ativos e a capitalização estável.

A Fitch acredita que os resultados permanecerão pressionados pela fraca demanda de crédito e pelas despesas com provisões para créditos duvidosos acima da média histórica.

Os fatores que podem, individual ou coletivamente, levar a uma ação de rating negativa/rebaixamento são o fato de que os rebaixamentos dos ratings de dívida dependerão dos rebaixamentos dos IDRs do Bradesco, tendo em vista que estes funcionam como âncoras das emissões.

Os fatores que podem, individual ou coletivamente, levar a uma ação de rating positiva/elevação são as elevações dos ratings de dívida que dependerão das elevações dos IDRs do Bradesco, tendo em vista que estes funcionam como âncoras das emissões.

De acordo com a Fitch, os ratings de crédito em escala internacional de instituições financeiras têm o melhor cenário de elevação (definido como o 99º percentil de transições de ratings, medido em uma direção positiva) de três graus ao longo de um horizonte de rating de três anos, e o pior cenário de rebaixamento (definido como o 99º percentil de transições de ratings, medido em uma direção negativa) de quatro graus ao longo de três anos.

A faixa completa de melhores e piores cenários de ratings de crédito para todas as categorias de rating varia de ‘AAA’ a ‘D’. Os melhores e piores cenários de ratings de crédito se baseiam no histórico de desempenho.

Salvo disposição em contrário divulgada nesta seção, o Score de Relevância de crédito Ambiental, Social e de Governança (ESG) é ‘3’. Isto significa que as questões de ESG são neutras ou têm impacto mínimo sobre o crédito da entidade, seja devido à sua natureza, ou à maneira como estão sendo por ela administradas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

BB DTVM lança ETF de Agronegócio na B3

Primeiro voltado para o setor de agronegócio disponível no mercado doméstico

Empresas brasileiras pagam mais a acionistas

Vale: 9° lugar no mundo, na frente da Apple

União concentra 77% da dívida pública do Rio

Apesar de pagamentos feitos pelos estados, débito não para de subir.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.