Brasil cai cinco posições no IDH da ONU

Por Paulo Alonso.

O Brasil chega ao final de 2020 recuando cinco posições no ranking de desenvolvimento humano das Nações Unidas, que faz medição do bem-estar do povo considerando indicadores nas áreas da saúde, educação e renda. Esse quadro é desalentador, uma vez que a principal causa desse resultado negativo é justamente a estagnação da educação. Assim, o país recuou da 79ª posição, em 2018, para a 84ª, em 2019, atrás da Colômbia (83ª), Peru (79ª), México (74ª), Cuba (70ª), Uruguai (55ª), Argentina (46ª) e Chile (43), para citar apenas os países vizinhos e que situados na América.

A educação no Brasil ainda não está na ordem dia e não é uma política de Estado, como deveria. Assim, os governos que se sucedem, a cada mandato presidencial, mudam as regras dessa área, imprescindível para o desenvolvimento do país e muitas vezes marginalizada por atos e ações poucos construtivos.

O fato é que o índice de Desenvolvimento Humano (IDH) brasileiro é de 0,765%. Importante ressaltar que, pela Organização das Nações Humanas, quanto mais perto de 1, maior será o desenvolvimento humano. Tivemos, na realidade, uma evolução para lá de acanhada de 0,003% em relação a 2018, considerado pelos pesquisadores do Pnud um “crescimento lento”.

No ano passado, a expectativa de vida do brasileiro era de 75,9 anos, um pouco maior do que a registrada um ano antes, de 75,7%. No ano de 2015, eram 75 anos. No quesito renda, a per capita anual pulou de US$ 14.182 em 2018, para US$ 14.263 no ano posterior. Há cinco anos, era de US$ 14.775.

A escancarada falta de investimento em educação, no país, está prejudicando a formação do povo e, consequentemente, afetando de forma efetiva o desenvolvimento do próprio país. O tempo estimado para que as pessoas ficassem na escola parou em 15,4 anos, desde 2016. E a média de anos de estudo foi de 7,8 anos, em 2018, para oito anos, no ano passado. Só por esse dado, pode-se notar o descompasso da educação nos últimos governos.

O relatório do IDH mostra o desempenho de 189 países e territórios reconhecidos pela ONU. A Noruega, localizada na Escandinávia, lidera o topo da lista com 0,957 seguida de perto pela Irlanda, com 0,955, empatada com a Suíça, e seguidas por Hong Kong, um dos Tigres Asiáticos, com 0,949, e Islândia, com o mesmo índice. O país pior colocado é o Níger, na África, com 0,394.

Dos países que integram o Brics, grupo de livre comércio que reúne o Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul, apenas a Rússia apresenta um índice do IDH maior que o do Brasil, com 0,824.

A situação do Brasil é preocupante, pois o seu desenvolvimento humano cai quando a desigualdade entra na equação, o que é inconcebível, por se tratar de uma das dez maiores economias do mundo. O país perde, nesse quesito, 20 posições quando o indicador é ajustado à desigualdade. Mostra a falta de uma política governamental no combate a essa chaga social.

Trata-se da segunda nação do Mundo que mais perde posições, atrás apenas de Comores, um pequeno país do leste da África, com 830 mil habitantes. O IDH ajustado para a desigualdade leva em consideração 150 países.

Importante, por oportuno, salientar que a principal causa para o resultado do Brasil nesse indicador é justamente a desigualdade de renda do povo brasileiro. E esse problema já vinha sendo detectado em anos anteriores, mas nenhuma política efetiva foi adotada para combatê-lo.

A parcela dos 10% mais ricos no Brasil concentra 42,5% da renda total, já o 1% mais rico fica com 28,3% da renda. Com esses dados e índices, o Brasil novamente fica mal no ranking, pois é a segunda maior concentração de renda do mundo, ficando atrás apenas do Qatar, no Oriente Médio.

E como se não bastasse as distorções verificadas no Brasil, a relatório chama atenção para a desigualdade de gênero. Para se poder fazer uma correlação, o Níger, que apresenta o menor IDH do planeta, tem mais mulheres com assentos no Parlamento, com 17% das cadeiras, do que o Brasil, que exibe uma representatividade de 15%.

Os dados do Pnud indicam ainda que as mulheres brasileiras vivem mais e têm mais anos de escolaridade que os homens, mas apresentam menos desenvolvimento humano. E isso se dá porque elas recebem muito menos pela sua força de trabalho. No Brasil, a renda das mulheres é de 41,8% menor do que a dos homens.

Ainda de acordo com o Pnud, o Brasil é um dos países com elevada desigualdade de gênero e se encontra em uma deplorável 95ª posição nesse ranking que inclui 162 países para os quais foi calculado o Índice de Desigualdade de Gênero (IDG).

Importante salientar que todos esses dados são do ano passado, de 2019, logo não foram impactados pelo caos mundial da pandemia. O relatório indica que a Covid-19 pode ter empurrado cerca de cem milhões de pessoas para a extrema pobreza em todo o mundo.

Eliminar a pobreza em todas as suas formas é dever de todo e qualquer governante. E continua sendo o problema central do mundo. O que falta ao mundo e em especial aos governos da América Central e África, sobretudo, é a ausência de um compromisso firme e indeclinável com o povo e suas aspirações mais básicas, como saúde, educação, moradia e infraestrutura.

Que todos os brasileiros, apesar da crise vivida, possam celebrar o dia santo de Natal, em harmonia e em paz com seus familiares e amigos e que o nascimento do Menino Jesus nos traga esperanças de dias melhores, com saúde, solidariedade, fraternidade e justiça social.

 

Paulo Alonso é jornalista e reitor da Universidade Santa Úrsula.

Leia mais:

Programa Mundial de Alimentos da ONU recebe Nobel da Paz

ONU prevê que 235 milhões precisem de assistência humanitária em 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Cidadania – garantia dos direitos: mudando paradigmas

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.

Últimas Notícias

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.