32.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Brasil cai no ranking mundial de exportações

O Brasil perdeu cinco posições no ranking mundial de exportações em dez anos. Em 2008, o país estava na modesta 22ª colocação como maior exportador de mercadorias. Em 2018, caiu para o 27º lugar, um abaixo de 2017, perdendo a posição para o Vietnã.

As exportações mundiais de bens cresceram 10% em valores em 2018, segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC). Em volume, a elevação foi de apenas 2,8%. A alta dos preços do petróleo e seus derivados explica a diferença entre o crescimento em dólares e em volume.

As exportações do Brasil em 2018 cresceram 10%, para US$ 240 bilhões, em linha com a alta mundial, porém alta insuficiente para manter o país na posição que ocupava.

As perspectivas para 2019 são piores. Os dados finais da balança comercial brasileira no ano passado mostram que as exportações caíram 7,5% em valor. A OMC prevê que o comércio mundial de mercadorias terá crescimento de 1,2%.

“Se o quadro já não é animador para o total de bens, o que dizer de manufaturados?”, pergunta o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). “Embora tenhamos o nono maior parque industrial do mundo, correspondendo a 1,83% do PIB industrial global, ocupamos em 2018 apenas a 32ª colocação no ranking de exportações de manufaturados, com uma parcela de 0,62% do total. Perdemos uma posição em relação a 2017 e três posições frente a 2008. Dez anos atrás, entretanto, tínhamos 0,81% das exportações globais de manufaturados”, lamenta a entidade.

Em contraste, de 2017 para 2018, o Brasil subiu da 30ª para a 28ª posição entre os maiores importadores mundiais de manufaturas. No total das importações de mercadorias, o país subiu de 29º para 28º, devido a um crescimento de 20% do valor de bens importados (US$ 189 bilhões). Em 2014, antes da crise detonada pela política econômica de austeridade, o Brasil ocupava a 22ª posição.

Artigos Relacionados

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação (-0,9%). É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira pela Fundação...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Biden retoma restrições a viajantes que cheguem do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.