Brasil dos sonhos

Ao tentar se desvincular das crescentes pressões pela demissão do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse ignorar a origem das versões que a incluíam entre os críticos de Meirelles, mas admitiu, em tom de blague: “Será que eu falo dormindo?” Não se pode assegurar que a ministra sonhe com a demissão de Meirelles, mas Freud já nos ensinou que o chiste, geralmente, é revelador de um desejo inconsciente. E se esse é um sonho de Dilma, então, ela compartilha o imaginário popular com cerca de 180 milhões de brasileiros.

Repeteco
Enquanto a economia mundial continuar de vento em popa, a brincadeira com o câmbio a menos de R$ 2,10 vai muito bem. “É uma maravilha que economistas chamam de populismo cambial. É âncora para a inflação, ajuda o consumo da classe média…”, alfineta o prefeito do Rio, Cesar Maia, em seu Ex-blog. Mas como ninguém imagina que o mar de almirante da economia mundial seja eterno, o Brasil se arrisca a ver de novo o filme que, com FH na direção, provocou a fuga em alta velocidade de pelo menos US$ 60 bilhões.
“Quando a economia internacional muda de vento o câmbio baixo se transforma no caminho mais curto para a transformação da crise externa em caos interno. O Brasil já viveu isso no final do primeiro Governo FH”. “O remédio foi a recessão, com o custo social respectivo”, afirma Maia, que finaliza: “Quem viver, verá”.

Custo BC
As perdas causadas ao Brasil pela autonomia do Banco Central em relação a qualquer tipo de controle que não os interesses do mercado financeiro não se restringem aos escandalosos gastos com juros, que consumiram R$ 590,639 bilhões apenas nos quatro anos do primeiro mandato do Governo Lula. Ao manter o país na desconfortável posição de detentor da maior taxa de juros do mundo, o BC amplifica, via câmbio, o crescente processo de desindustrialização do Brasil, que criou a inédita e inacreditável situação de, em 2006, as empresas nacionais aplicarem 50% mais no exterior do que a soma dos investimento externos diretos (IEDs) no país.
Os estragos provocados pela autonomia do BC se estendem ao estímulo à especulação nos mercados futuros de dólar, que já elevaram a US$ 15 bilhões as apostas contra a cotação da moeda norte-americana, tendo apenas o Banco Central como “comprado”.
Ao longo de quatro anos de populismo cambial no primeiro mandato de FH, o ex-ministro Delfim Netto estimou em US$ 100 bilhões os prejuízos causados ao país pela aventura do real sobrevalorizado. Esse cálculo, porém, se restringia às perdas provocadas à balança comercial, que, de superavitária, se tornou cronicamente deficitária. Continua aberta conta total em empregos, investimentos e custos sociais.

Acidentes
O índice de acidentes na malha rodoviária sob regime de concessão do Estado de São Paulo caiu 11% em 2006, na comparação com o ano anterior. No mesmo período, registrou-se diminuição de apenas 1% no índice de mortos e de 4% no de feridos. O estudo integra levantamento da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). Foram 26.036 acidentes registrados no ano passado, com 13.890 vítimas feridas e 678 fatais. Em 2005, registrou-se um acidente a cada 18,4 minutos; em 2006, o período aumentou para 20,2 minutos.

Salvação
O número de candidatos a concursos públicos em todo o país deve bater nos 5 milhões este ano, avalia a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac). Deverão ser abertas 100 mil vagas na União, estados e municípios, o que dará uma média de 50 candidatos por vaga. A Anpac lista a estabilidade, melhores ganhos e a substituição dos terceirizados como os principais fatores que aguçam a busca pelo cargo público. E esta coluna completa: o alto desemprego e as baixas perspectivas no setor privado.

Interruptor
“Termelétrica boa é termelétrica desligada.” A frase é do ex-presidente da Eletrobras Luiz Pinguelli Rosa, criticando a opção de FH, referendada por Lula, de inclusão das térmicas na matriz energética brasileira. “Termelétrica desligada não emite CO2, o que já é uma vantagem. Porém, o contrato de fornecimento de gás é take or pay, pois ninguém se preocupou em criar um mercado secundário”.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEspetáculo do crescimento
Próximo artigoPrimeira

Artigos Relacionados

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Últimas Notícias

Lendas das small caps – market timing, recuperação e liquidez

O Monitor Mercantil publica a segunda parte do trabalho, iniciado no dia 18 de novembro, feito pela Trígono Capital sobre as sete lendas das...

Pesquisa mostra saúde financeira dos brasileiros

O brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19, com 6 em cada 10 pessoas reduzindo gastos neste período. E mais: 66%...

Recorde de retiradas líquidas da poupança: R$ 12,37 bi

O Banco Central (BC) informou, nesta segunda-feira, que as retiradas da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 12,377 bilhões, em novembro. Essa...

Petrobras poderá se tornar uma empresa suja

A Petrobras anunciou no último dia 24 de novembro seu plano estratégico 2022-2026, com investimentos previstos de US$ 68 bilhões nos próximos 5 anos....

Empresas abertas na pandemia são 452% mais vulneráveis a fraudes

Com a chegada da pandemia e o aumento do desemprego, muitos brasileiros viram no empreendedorismo a oportunidade de conseguir uma renda mensal. A criação...