Brasil é o país que mais perdeu milionários em 2020

Desvalorização do real tirou da lista 81 mil ricos.

O Brasil é o país que mais perdeu milionários em 2020, com uma queda de 22% em comparação com ano anterior. No total, houve uma diminuição de 81 mil milionários no país. A desvalorização do real perante o dólar é o principal fator que explica a diminuição, de acordo com estudo divulgado pelo portal Cupom Válido que reuniu dados da OCDE e Credit Suisse sobre a distribuição de riqueza.

Dentre as 33 moedas mais negociadas do mundo, o real foi uma das 8 que tiveram a maior desvalorização em 2020, quando chegou a perder 40% do valor frente a moeda norte-americana. Uma queda maior que as moedas de países que estão crises severas, como o peso da Argentina e a lira turca.

O número total de milionários no Brasil (adultos com patrimônio acima de US$ 1 milhão) passou de 375 mil para 294 mil. O México foi o segundo país que mais perdeu milionários (17 mil), seguido pela África do Sul e Chile respectivamente. Na ponta oposta, os Estados Unidos tiveram o maior aumento no número de milionários, com acréscimo de 2 milhões.

Distribuição de riqueza Brasil x mundo (elaboração: Cupom Válido)
Elaboração: Cupom Válido

Concentração da riqueza

Mais de 70% da população brasileira tem um patrimônio menor que R$ 50 mil. Na faixa acima, entre R$ 50 mil e R$ 500 mil, estão 27% dos brasileiros. No topo da pirâmide, 3% possuem valores acima de R$ 500 mil.

A comparação com a média mundial mostra o grau de concentração da riqueza no Brasil: 58% da polução do planeta possui patrimônio menor que R$ 50 mil; 32% possui um patrimônio entre R$ 50 mil e R$ 500 mil; e 10% possui valores acima de R$ 500 mil.

No Brasil, a parcela do 1% mais rico detém 47% de toda a riqueza do país. No mundo, a média é de 43%. A Rússia é o país com a maior concentração, em que o 1% mais rico detém 57% de toda riqueza (em 2016, o valor chegou a ser até maior, 64% do total).

Dentre todos os países, o Japão é onde há a menor concentração. O 1% mais rico detém 18% da riqueza, de acordo com o levantamento do Cupom Válido.

Leia também:

Indicador antecedente de emprego da FGV sobe 4,7 pontos em maio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Comerciários do Rio têm aumento

Já em São Paulo, emprego no comércio registra a maior alta mensal desde novembro de 2020.

Últimas Notícias

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.