Brasil está entre os 30 países que pagam mais caro pela internet

O Cuponation, plataforma de descontos e integrante da alemã Global Savings Group, reuniu dados atualizados sobre o valor da internet ao redor do mundo em 2020. No primeiro semestre deste ano a companhia Numbeo, de levantamentos estatais, havia registrado uma lista com os 100 países com a internet mais cara do mundo. Com inclusão de 60 Mbps ou mais, dados ilimitados e cabo/ADSL mensais, o estudo apontou que o Brasil estava na 58º posição do ranking.

Com a economia brasileira fraca devido às condições de quarentena durante todo o ano, o Cuponation buscou pela atualização desta pesquisa, e o resultado não é animador: o Brasil caiu 16 posições, pousando na 74ª colocação da lista e cobrando cerca de R$113,70 pelo combo.

Pertencendo as 30 nações com a internet mais cara do mundo, o Brasil desembolsa cerca de 10, 87% do salário mínimo de cada brasiliero que se dispõe a pagar pela internet mensal – conforme dados do IBGE. Confira a pesquisa completa no infográfico interativo do Cuponation.

Um estudo divulgado pelo TIC Domicílios mostrou que em 2018 apenas 70% da população brasileira possuía acesso à internet. Sabendo que desde então os valores não se adequaram à remuneração do brasileiro, pode-se concluir que o Brasil não teve um avanço significativo na ingressão da internet nos lares brasilienses.

De volta ao ranking inicial, o Emirados Árabes Unidos é o país que ocupa o topo da lista, em que os cidadãos pagam por volta de R$510,59 pela internet. Catar e Omã seguem caminho nos segundo e terceiro lugares, pagando R$447,79 e R$417,28 pelo mesmo pedido, respectivamente. Pagando apenas R$48,45, a nação que se posiciona em último lugar é a Romênia.

Artigos Relacionados

Copom: próxima decisão dependerá de dados e cenário fiscal

BC deu mais detalhes sobre os fatores que podem levar à retirada de estímulos monetários.

EUA: bens duráveis avançaram abaixo do esperado

Segundo analista, encomendas excluindo-se transportes surpreenderam positivamente e teve revisão altista na leitura anterior.

Mercado aguarda Fomc e estímulo nos EUA

No Brasil, receio fiscal e incertezas quanto a vacinação contribuíram para que a Bolsa não suportasse as máximas do dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom: próxima decisão dependerá de dados e cenário fiscal

BC deu mais detalhes sobre os fatores que podem levar à retirada de estímulos monetários.

EUA: bens duráveis avançaram abaixo do esperado

Segundo analista, encomendas excluindo-se transportes surpreenderam positivamente e teve revisão altista na leitura anterior.

Mercado aguarda Fomc e estímulo nos EUA

No Brasil, receio fiscal e incertezas quanto a vacinação contribuíram para que a Bolsa não suportasse as máximas do dia.

NY à espera de balanços da Apple, Boeing e Facebook

Índices futuros das Bolsas nova-iorquinas estão operando mistos à espera de mais balanços trimestrais de grandes empresas dos EUA.

Rio começa nova fase de vacinação contra Covid

Expectativa da prefeitura é vacinar 66 mil pessoas.